Segunda-feira, 30 de Junho de 2008

AS MAGNIFICAS TILIAS DA RUA DO JUNCAL NA RINCHOA

Antes de surgir a empresa "Realizadora" constituída por Leal da Câmara, e outros seus amigos para lotear a RINCHOA e parte da Quinta Grande, existiam na localidade algumas casas importantes implantadas em Quintas. Estas propriedades foram desaparecendo com o desenvolvimento do processo urbanístico, hoje só resta a memória ténue da sua grandeza. Como eram na sua maioria para recreio e repouso dos seus proprietários, tinham muitas árvores, quer de fruto quer de sombra das quais ainda é possível encontrar nos quintais de algumas vivendas, nomeadamente, carvalhos, castanheiros, pereiras , tílias...

As quintas pertenciam a gente importante de Lisboa ligada ao comércio e a actividade forense. Um conhecido advogado, vendeu à cerca de 30 anos, a um construtor a  chamada "Casa do Pinhal", situada entre a Avenida dos Plátanos e a Estrada Marquês de Pombal. Como era de esperar o passo seguinte foi o de fazer o seu loteamento.

Esta quinta tinha uma bela entrada ladeada  de tílias de restam poucos exemplares. O loteamento deu origem a várias vivendas e a um arruamento ao qual foi dado o nome de Rua do Juncal, por sorte duas das árvores ficaram no passeio da rua e foram poupadas ao abate. São exemplares imponentes que na época da floração servem de local de trabalho a centenas de abelhas e exalam um aroma muito agradável.

 

Uma das Tílias, a primeira a esquerda da foto, tem um tronco com um perímetro a altura do peito de 2,85 metros sendo a sua idade provável UM SÉCULO!

As magnificas tilias da Rua do Juncal estão em espaço público e podem ser admiradas por todos os sentem que as velhas árvores merecem o carinho e respeito devidos aos MONUMENTOS. Seria conveniente declará-las de interesse público. Para aqueles que unicamente tentam denegrir a nossa terra, e quem cá vive, duas sugestões: cultivem-se, e já agora, tomem chá de tília...

Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 14:32
Link do post | Comentar
Sábado, 21 de Junho de 2008

O CABO DA ROCA PORTA DO OCIDENTE

 

 

Há gente com jóias da natureza e não as sabe cuidar. Num mundo globalizado a singularidade tem valor acrescentado, por isso, deve ser valorizada e divulgada para fomentar nas pessoas sentimentos de partilha e pertença dando a essa particularidade o  devido destaque.

 

No território sintrense, há um local, cuja  envolvente encantadora não tem sido devidamente cuidada. O Cabo da Roca: sendo sem dúvida, o ponto mais a oeste do continente europeu, devia ter o adjectivo de FINIS TERRA, pois está a uma longitude superior há do Cabo Galego com aquele nome. O "Cabo do Monte da Lua" como antigamente se chamava era muito extenso, dizia-se ser o seu comprimento de 10 quilómetros, mar adentro. Como consequência dum mega sismo a terra foi submersa e resultou a "testa do cabo". A profundidade média em frente do Cabo ao longo de várias milhas é por isso de só 10 mts.

  

O Cabo da Roca devia ser considerado como um Santuário Natural. Batido pelos ventos oceânicos, sem vegetação de grande porte, quem visita o Cabo ao aproximar-se do cruzeiro no topo da falésia sente estar perante um  FIM DO MUNDO.

É um lugar de longura e fascínio. Infelizmente os fios eléctricos e os postes de iluminação inadequados conspurcam uma atmosfera que deveria ser unicamente céu e mar.

Urge acabar com esta situação, que degrada o ambiente. E porque não promover um concurso de ideias, de modo a tornar o Cabo da Roca na grande PORTA do OCIDENTE e fomentar ainda mais a visita de turistas? Estamos perante uma atracção  de grande potencial.

O nome do cabo deriva do halo de nuvens visível do mar e que quase sempre cobre o seu dorso e Roca é aquilo que o povo chama o "barrão".

Aqui finda a Terra da Europa, entendida  como um espaço "do Atlântico aos Urais " frase celébre dum grande Europeu, o General De Gaulle. Devemos contribuir para  seja um sítio de comunhão plena entre o Homem e a Natureza. Há poucos lugares no Mundo com tanto mistério e magia como este.

Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 15:09
Link do post | Comentar
Domingo, 1 de Junho de 2008

UMA ÁRVORE PLANTADA NESTE DIA EM 1869...

O homem ao longo dos tempos tem demonstrado  a preocupação de deixar testemunhos da sua passagem para manter a lembrança para além da existência efémera da vida. Para isso constrói, escreve, procria ou planta árvores, como refere o pensamento arábico.

Em tal dia como hoje em 1 de Junho de 1869, foi o casamento de D. Fernando II com a Condessa d'Edla, com a intenção de assinalar esse acto foi plantado no Parque da Pena um eucalipto da variedade Eucalyptus obliqua.
O local escolhido foi junto a denominada feteira da condessa. Dado as condições serem as mais adequadas para o desenvolvimento da espécie (água e terreno abrigado) o eucalipto vingou e, mantém-se pujante, passados 139 anos, recordando naquele recanto romântico de Sintra o fausto acontecimento. Suas Majestades há muito desapareceram, mas a árvore resistiu a ventos e tempestades porque o seu colossal tronco a mantém bem firme no seu posto. É a mais grossa de todas  do Parque merece os nossos parabéns neste seu aniversário. Sim, as árvores também merecem festa de anos. Longa vida a este "indivíduo notável" como lhe chamou o Prof. Mário de Azevedo Gomes, grande Português autor da Monografia do Parque da Pena, o dia 1 de Junho também devia ser DIA DO REAL EUCALIPTO DO PARQUE DA PENA...Porque não?

 

 

(Nota: Não foi possível tirar uma fotografia ao eucalipto, uma vez que, a zona do Parque da Pena onde se encontra o Chalé da Condessa está vedado para obras de recuperação).

Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 22:25
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

ALMORQUIM A TERRA DO " HO...

TOPONÍMIA SINTRENSE - ALF...

TOPONIMIA SINTRENSE - AL...

AS ALDEIAS "JULIANAS" - S...

GRANDEZA A OCIDENTE. GLOR...

" MEU " SECULAR CASTANH...

HOSPITAL DE SINTRA. "HOSP...

TROÇO "SECRETO" DO AQU...

ALMOÇO DE " EVITA " PÉRON...

TOPONÍMIA SINTRENSE - JAN...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

tags

todas as tags

Favoritos

RESOLVER "ENIGMA" RELACIO...

BEM FADADO OU MAL FADAD...

Links sobre o autor

Fotografia do Cabo da Roca: Jason Weaver
blogs SAPO

subscrever feeds