Domingo, 31 de Janeiro de 2010

O CRUZEIRO DE SACOTES - SINTRA

Sacotes é uma localidade da Freguesia de Algueirão Mem-Martins, no concelho de Sintra. Situa-se numa colina sobranceira ao Algueirão (pântano), que depois de drenado permitiu a construção da Base Aérea nº1. Os terrenos desta infra-estrutura aeronáutica faziam parte  da Granja do Marquês e onde esteve instalada a Escola Agrícola de Sintra. Alguns dos habitantes de Sacotes eram trabalhadores  naquela propriedade, que pertenceu ao Marquês de Pombal. Sacotes é povoação antiga, no século XVIII, segundo a "CINTRA PINTURESCA" tinha 11 fogos.

Até 1974, o aspecto da aldeia seria idêntico ao de muitas povoações similares do interior do País, apesar de Sacotes ficar a 20 quilómetros de Lisboa, "as casas térreas ainda em muitos casos mostravam a pedra à vista, com um cunho de ruralidade que o tempo alterou devido à construção de muitas habitações "modernas". Do tempo em que Sacotes era um sítio de agricultores e pastores, resta um humilde CRUZEIRO, cujo despojamento  confere um encanto propício à meditação no Sagrado.

Sobre um bloco de mármore toscamente aparelhado, de cor ligeiramente rosácea, está uma singela cruz de pedra, o conjunto foi colocado no largo da povoação desprovido  duma envolvência que o cruzeiro merecia. Sem  artefactos alterando a rusticidade dos materiais  estamos perante um símbolo, místico, sem ostentação, singelo enfim, com a grandeza sublime das coisas SIMPLES.

O cruzeiro de Sacotes é um dos encantos desta Sintra onde temos o privilégio de habitar. Os que denigrem a nossa terra  fazem-no por despeito ou desconhecimento das singularidades que desfrutamos.

 

sinto-me:
Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 18:36
Link do post | Comentar | Ver comentários (8)
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010

TOPONIMIA SINTRENSE : RIO DE MOURO

 

O nome das localidades é difícil de decifrar, em alguns casos quando não há certezas recorre-se à "lenda" ou à "tradição" para justificar o que é duvidoso. Vejamos um exemplo: Rio DE MOURO no Concelho de Sintra. 

Uma das hipóteses inserida no "Memorial Histórico ou Colecção de Memórias Sobre Oeiras", vai no sentido seguinte:"Rio de Oeiras nasce acima do pequeno Lugar de Fanares, aqui lhe chamam rio das enguias, à saída da Quinta do Basto entra em uma ponte de boa cantaria por cima da qual passa a Estrada Real de Sintra. Aqui tem o nome de Rio DO Mouro, que o transmite a este lugar, onde segundo a tradição morreu o Mouro Albaráque Governador do Castelo de Sintra ou Cyntia, fugindo na ocasião da sua conquista por D.Afonso Henriques. Outros dizem que o dito Mouro, fora morto no Lugar que tem o nome de ALBARRAQUE e o enterraram nas margens deste Rio".

Para reforçar a "tradição" o autor alterou: Rio de Mouro para Rio do Mouro. Continuando: "Quase a chegar ao Sítio de Asfamil lhe dão o nome de Rio dos Veados. Passa pelo Lugar da Laje  e correndo com  nome de Oeiras...ele se mistura no Oceano".

A nossa versão,alicerçada no estudo da região onde corre o  curso de água demonstra que aqui, os topónimos Mouro e Mourão coexistem. Mourão deriva de "parede" "muro grande" e também de lajes de pedra que se colocavam verticalmente em redor das eiras para proteger o cereal do vento e dos animais. Essas pedras designam-se Mouros ,sendo utilizadas  nas vinhas para suportar as varas da empa das vides.

No caso do nosso Rio, desde tempos recuados os proprietários dos terrenos adjacentes, no troço compreendido entre a quinta da Preza e Francos, desviaram o curso obrigando o rio a correr entre Mouros ou Mourões de lajes e mais tarde entre muros  para aproveitarem as terras férteis de aluvião.

Esta obra hidraulica ainda hoje se pode observar:ver imagem. Deste modo, RIO DE MOURO  significa: RIO QUE CORRE ENTRE MOUROS ou MUROS ALTOS. A lenda não é mais forte que a evidência,só por falta de estudo se tem mantido. 

Neste caso, a lenda, como justificamos, é uma fantasia.  

 

sinto-me:
Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 00:19
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Sábado, 16 de Janeiro de 2010

ASPECTOS DUM PORTUGAL QUE VAI DESAPARECENDO...

Muito se diz e escreve sobre o quotidiano do interior de Portugal, onde apesar do que tem sido feito para melhorar a vida das populações, não foi ainda possível suster a saída das pessoas, em busca de trabalho e mais promissoras condições, que permitam a realização das suas legitimas aspirações. Esta realidade proporciona imagens como a que deixamos.

Trata-se duma casa de habitação construída no século XIX, e desabitada há muitos anos. Curiosamente as janelas a varanda e tudo o que se pode ver na fachada é  em madeira. Nada de ferros ou mesmo vidraças. Esta construção encontra-se na parte mais antiga da Vila da Pampilhosa da Serra, denominada de: "Aldeia Velha" é um exemplar de arquitectura popular digno de atenção. As madeiras que suportam o telhado são de castanho, assim como as da varanda: as telhas de "canudo" devem ter sido produzidas num "telhal" próximo. A fachada é de Tabique.

As particularidades construtivas da CASA DA TIA CONSTANÇA, com é conhecida, revelam o uso generalizado da madeira, para  erguer habitações, no tempo da sua "feitura" devido à riqueza florestal da região nessa altura.

A envolvente tem aspecto ruinoso e compõe um quadro de decadência comum a muitas aldeias de Portugal. O destino das árvores, como diz o poema do antigo livro de leituras do ensino primário, hoje dito "básico" pode ser:

 

Talvez soalho de casa

Talvez caixão ...Talvez berço

Para um menino embalar.

Será talvez isso tudo...

E depois?Em que há-de dar?

 

Num terno e sentido sentimento de que "há um fim para todas as coisas amanhã" diríamos nós...  

 

  

sinto-me:
Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 22:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
30
31

Posts recentes

POMBAL "MISTERIOSO".

A PROPÓSITO DA IGREJA DE ...

POMBAS MENSAGEIRAS NAS Q...

ORIGEM SINTRENSE DO PETIS...

A IMPORTÀNCIA VINÍCOLA ...

INSIGNE FILHO DE "SINTRA ...

SINTRA CONCELHO NA SENDA ...

SINTRA CONCELHO NA SENDA ...

LIMÃO FONTE DE RIQUEZA DO...

TOPONÍMIA SINTRENSE - SIG...

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

tags

todas as tags

Favoritos

RESOLVER "ENIGMA" RELACIO...

BEM FADADO OU MAL FADAD...

Links sobre o autor

Fotografia do Cabo da Roca: Jason Weaver
blogs SAPO

subscrever feeds