Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2014

O VIMIEIRO

A definição usual que encontramos num dicionário relativa ao vimeiro é "designação comum de algumas árvores e arbustos da família das salicáceas das quais se obtém o vime". Das varas flexíveis do vimieiro, podem fazer-se atilhos, cestos, cabazes, artigos decorativos, mobiliário e atar ou  amarrar, por exemplo as vides das videiras. A utilização do vime para este fim ainda hoje se verifica e antes do advento do plástico era exclusivamente ao seu uso que recorriam os vinhateiros. Actualmente para produção de vime recorre-se a plantações extensivas como sucede na região espanhola da "alcarria",em plena "Mancha". 

O vime é obtido em boa medida de um arbusto do qual de cortam as varas flexíveis. Quando falamos de vimes ocorre-nos o arbusto. No entanto por vezes aquele consegue atingir significativo porte arbóreo. Um dia destes deparamos na campina do Sabugo no Município de Sintra, um vimieiro com alguma envergadura, vegetando exuberante e solitário, na margem de um arroio, "habitat" preferido desta espécie vegetal. Na antiguidade ao vime atribuía-se carácter sagrado e protector dos nascimentos. Os berços normalmente eram feitos de vime. Moisés foi encontrado num cesto de vime vogando sobre as águas do rio Nilo.

Quem sabe se foi por crença nesse poder divinatório do vime, que os viticultores o utilizavam como atilho das varas da videira para garantirem o bom unhamento dos pampanos ou sarmentos das vides indispensáveis para germinarem cachos de uvas e obterem boa colheita? Neste caso o vimieiro de folhagem amarelecida pelas brisas outonais, assumiu o papel de atilho não duma qualquer vide, mas da nossa atenção.

PC022816.JPG

PC022819.JPG

 

 

sinto-me:
Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 10:19
Link do post | Comentar

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
16
18
21
22
23
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

MOTIVO DE SATISFAÇÃO

SIGNIFICADO DO TOPÓNIMO ...

GUARDIÃO DA ALDEIA

AQUI OS PINHEIROS BRAVOS ...

LOUREIRO NO PARQUE

PLÁTANOS ALAMEDA SENHORI...

ÁRVORES NOTÁVEIS DO PARQU...

O CEDRO DA RUA DA FONTE -...

MOINHO DE MARÉ DA SAMARRA

MORADA DO GUERRILHEIRO

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

tags

todas as tags

Favoritos

RESOLVER "ENIGMA" RELACIO...

BEM FADADO OU MAL FADAD...

Links sobre o autor

Fotografia do Cabo da Roca: Jason Weaver
blogs SAPO

subscrever feeds