Terça-feira, 15 de Maio de 2012

A PROPÓSITO DO LEITÃO ASSADO À MODA DE NEGRAIS

Negrais é um lugar da Freguesia de Almargem do Bispo, no Concelho de Sintra. Acerca da origem do nome já escrevemos no "post" editado em 22 de Julho de 2008. No entanto, o facto que lhe deu mais notariedade é a iguaria que serve de titulo a este apontamento.

Como terá surgido, esta tradição gastronómica é tema que tem gerado alguma controvérsia, pelas investigações que efectuamos, tudo pode ter começado assim:

Durante muitos anos na região saloia a ementa dos casamentos era constituída geralmente por "canja de galinha da capoeira, ensopado de coelho, borrego e leitãozinho, assados no forno, doces variados, vinho fino, licores, vinho do pipo guardado para a ocasião e o prato de arroz doce", este último pitéu porque representava um hábito que todos queriam manter, era imprescindível.

Para assar os cabritos e os leitõezinhos utilizavam-se os fornos da aldeia, o aquecimento destes, como seria natural era feito a  lenha. Negrais devido aos carvalhais das redondezas dispunha de boa lenha, condição que permitia temperatura adequada para execelentes assados, nomeadamente dos leitõezinhos. Deste modo NEGRAIS, ganhou nomeada por ser a aldeia onde  melhor se assava o leitão, servido nos casamentos das terras da região,daí a aparecerem vários assadores foi um instante, assim teria sido o começo do importante sector de negócio, a que se dedicam hoje, não só os "leitoeiros", empresários que assam e vendem produto para fora, mas também  os vários restaurantes todos de qualidade, existentes na povoação, ambos  verdadeiros "mestres" desse manjar único:  o leitão de Negrais, o qual justifica uma visita,para degustá-lo  "in loco". Negrais merece a designação de: "CAPITAL DO LEITÃO SÁBIAMENTE ASSADO". Não existe em Portugal qualquer outro lugar onde a perfeição da "assadura" do reco, alcance o requinte que aqui se verifica, se há dúvida, nada melhor do que experimentar e ficar a saber o porquê do  leitão de Negrais, ser de comer e chorar por mais!

 

 

sinto-me:
Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 15:05
Link do post | Comentar
Terça-feira, 22 de Julho de 2008

AS ÁRVORES NA TOPONIMIA - ALVARINHOS E NEGRAIS

A vegetação é um elemento frequente no nome dado as povoações porque os seus habitantes iniciais por certo eram influenciados pela presença da flora mais abundante. São conhecidos topónimos como: CARVALHAL, ABRUNHEIRA, RINCHOA, SOBREIRA, AMOREIRA, SOBRAL, PINHEIRO, NOGUEIRA, FIGUEIRÓ, VINHAIS e muitos outros facilmente relacionáveis com a flora.

No território da Cidade de Sintra, encontramos também exemplos disso, iremos referir dois...

Na estrada para a Ericeira, depois de Odrinhas, fica a povoação de ALVARINHOS, quem hoje observar a paisagem circundante, para além da beleza e dos amplos horizontes, onde se vislumbra o Convento de Mafra e Oceano, não encontra vestígios das árvores donde surgiu o nome da terra - Alvarinhos. Era no ínicio do seu povoamento uma zona onde abundavam carvalhos daquela espécie ,como ainda nos nossos dias  no norte de Portugal. Antigamente, os agricultores deixavam as videiras trepar sobre estes, daí ter surgido, a casta alvarinho por analogia com a árvore que suportava a vide. Em Alvarinhos começa a estrada para o Carvalhal, antigamente tudo era um bosque pegado.

 

Outra terra cujo nome deriva duma espécie de carvalho são os NEGRAIS, essa mesmo, a do famoso leitão assado. Ao contrário de Alvarinhos nos Negrais ainda é possível encontrar dentro da localidade exemplares de carvalho-negral. A caminho da terra em frente do campo dos "LAPIÁS" observa-se um pequeno bosque daqueles carvalhos.

 

Finalmente a diferença entre estas espécies florestais é a de que  o Alvarinho tem uma folha maior do que a do negral e o seu tronco é menos escuro mais alvo. A distribuição geográfica é também diferente um abunda mais a norte e o outro a sul de Portugal.

Mais uma particularidade, que faz do território sintrense, um "PORTUGAL EM ESCALA REDUZIDA".

Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 16:03
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Sábado, 19 de Abril de 2008

O CARVALHO DA MINA

O Concelho de Sintra contém no seu dilatado território inúmeros "tesouros" quase desconhecidos quer por ignorância quer por falta de informação. Iremos  descrever neste trabalho, um deles. Trata-se dum carvalho cujo tronco tem um perímetro de 2,80 metros e como cresce em plena natureza, deve ter mais de 200 anos.

É uma árvore frondosa cuja copa como foi deixada crescer livremente ocupa uma área de cerca de 20 metros em redor do tronco. Junto a este monumento vivo corre um pequeno regato de água  alimentado por uma nascente vinda duma mina daí as pessoas da zona apelidarem de CARVALHO DA MINA.

 

Juntamente com esta crescem na proximidade outras árvores cujo conjunto forma um pequeno bosque dando ao local um aspecto bucólico encantador.

Tudo isto resistiu ao passar do tempos apesar de estar no meio de terras de cultivo. Talvez a necessidade de aproveitamento da água da mina tenha "salvo" esta maravilha . 

 O Carvalho da Mina situa-se na freguesia de Almargem do Bispo 200 metros após a passagem de nível da Pedra Furada na direcção de Negrais, há uma casa esquerda de onde sai o caminho agricola que termina, junto ao carvalho.

O local tem todas as condições para ser uma agradável área de lazer  mas infelizmente é só erva  o acesso pedonal é fácil e permite uma visita. Por mim cumpri o dever de partilhar algo que deve ser apreciado por todos quantos amam a natureza.

Devo referir que tomei conhecimento da existência do Carvalho da Mina por informação do antigo Presidente da Junta de Freguesia da Terrugem Sr. Pechilga que me levou ao sitio na década de 1980. Desde essa data sou visitante assíduo e por isso tenho notado o cada vez mais visível estado de abandono desta árvore notável. Oxalá finalmente as coisas mudem...

Publicado por Júlio Cortez Fernandes às 18:10
Link do post | Comentar

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
17
18
21
22
24
25
27
28
29
30

Posts recentes

A PROPÓSITO DO LEITÃO ASS...

AS ÁRVORES NA TOPONIMIA -...

O CARVALHO DA MINA

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

tags

todas as tags

Favoritos

RESOLVER "ENIGMA" RELACIO...

BEM FADADO OU MAL FADAD...

Links sobre o autor

Fotografia do Cabo da Roca: Jason Weaver
blogs SAPO

subscrever feeds