Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

PENDOR REPUBLICANO DO JORNAL DE SINTRA

"Semanário regionalista - Independente ",slogan que ostentava no cabeçalho o prestigiado periódico,JORNAL DE SINTRA; paladino defensor dos interesses do Concelho,decurso da ditadura Estado Novista, sempre lembrou os ideais republicamos, instituídos em Portugal, pela revolução de 1910, mesmo nas circunstancias mais dificeis.

Em 1957, época de confronto entre partidários das liberdades democráticas, e  Salazaristas da linha dura, situação essa no ano seguinte motivou a candidatura do Marechal Humberto Delgado.

A propósito da comemoração do 5 de Outubro, Jornal de Sintra, publicava na primeira página :

                  

a5oct.jpg

Basta ler texto,para ficarmos convictos do republicanismo do Jornal de Sintra, e ao mesmo tempo, admirarmos a inteligência e sagacidade do seu director, contra ventos e mares, desafiando a censura pévia , escrevia : " VIVA A REPÚBLICA ",  brado então de indole  "subversiva "; e lembrando  regime vigente, apesar de tudo, era republicano.

NOME ATRIBUIR AO FUTURO HOSPITAL DE SINTRA

Frequentemente ouço referir personalidades com trabalho meritório em diversas áreas do conhecimento, e de algum modo tem ligação ao Município de Sintra, e  uma das freguesias ; Rio de Mouro.

Adães Bermudes,renomado arquitecto, natural da cidade do Porto, residiu em Paiões sepultado no cemitério paroquial Riomourense.

Leal da Câmara ,nascido em Pangim , antiga colonia portuguesa de Goa, viveu na Rinchoa, onde existe a casa museu, legado que deixou, recheado de pintura e caricaturas de sua autoria, de incontestável valor.

Não questiono  lembranças destes ou outros vultos ligados por qualquer elo a Rio de Mouro, ou melhor dizendo a Sintra.

Há indubitavelmente  vulto cimeiro do panteão das glórias pátrias ,  nasceu e se fez homem em Rio de Mouro, continua injustamente esquecido.

Francisco Carrasqueiro Cambournac,dia nascimento, 26 Dezembro de 1903, na Quinta da família, no lugar do Papel, então freguesia de Rio de Mouro.

Baptizado na Igreja de Nossa Senhora de Belém, matriz da freguesia, dia 27 de Março de 1904.Um dos padrinhos  seu tio paterno , médico Desiré Cambournac, em honra do qual, dado nome uma avenida na sede do Concelho.

Francisco Cambournac, destacou-se no campo da malariologia;membro fundador do Instituto de Combate a Malária,situado em Aguas de Moura, Marateca , concelho de Palmela, distrito de Setúbal.

Este estabelecimento, integrado no Instituto Nacional de Saúde Pública Dr. Ricardo Jorge,tem hoje  a designação  de Centro de Estudos  de Vectores e Doenças Infecciosas " DOUTOR FRANCISCO CAMBOURNAC ", como homenagem ao insigne Sintrense.

Nosso patrício primeiro português nomeado director da OMS, Organização Mundial de Saúde, para o continente africano, exerceu esse cargo durante dez anos com dedicação competência e brilhantismo.Graças a isso  paludismo foi controlado e erradicado de diversas regiões Africanas.

Em 1978 , recebeu o prémio Leon Bernard, criado em 1937, pela Sociedade das Nações, destinado premiar, trabalhos de excelência no domínio da Saúde Publica a nível mundial.

Francisco Cambournac, professor universitário,director do prestigiado Instituto de Higiene e Medicina Tropical, de Lisboa, merece homenagem nacional  ainda tarda.No topo da Avenida Desidério Cambournac, logo a seguir a rotunda Acácio Barreiros, proponho se erija busto de igual destaque do seu tio,  avenida mude para  "AVENIDA DOS CAMBOURNAC " sem querer superiorizar qualquer deles.

Igualmente a Câmara Municipal deveria atribuir  nome de Francisco Cambournac,  artéria importante no Município, ou então, futuro hospital concelhio  seja denominado " HOSPITAL DOUTOR FRANCISCO CAMBOURNAC ". Foto do insigne sábio humanista.Deixo  sugestão considero justa e apropriada,como atesta noticia inserta no Jornal de Sintra 29 Dezembro 1957

acarrasquei.jpg

 

 

 

FCambournac.jpg

 

  

 

TOPONÍMIA SINTRENSE - LUGAR INÓSPITO

 

O concelho de Sintra,com área cerca 319 quilómetros quadrados, estende-se por uma vasta região, confinando com os concelhos de Mafra, Loures, Odivelas Amadora,Oeiras, Cascais e Oceano Atlântico,

Nos limites com  alfoz Mafrense , de " conventual memória ", terra onde decorre acção, do romance do genial José Saramago ; alturas da aldeia de Santa Susana, ao longo da estrada nacional 247, Sintra - Ericeira, encontramos  topónimo singular : Arneiro de Arreganha.

A situação geográfica, determinou a ocorrencia da denominação.O vocábulo arreganhar , além de outros , significa também , tremer ou encolher-se por causa do frio.

 Sitio alcandroado no cimo de cumeada  batido por  ventos fortes  de todos os quadrantes,  silhuetas de vários moinhos de vento, são testemunhos.

Arneiro é terreno pouco produtivo; Arneiro de Arreganha, de modo simples quer dizer, local frio e estéril.

Parece as previsões meteorológicas indicam para a próxima semana acentuada descida de temperatura; se não tivermos cuidado, podemos ficar arreganhados, imaginemos no Arneiro da Arreganha, vai estar  " barbeiro " danado.

apobral.jpg

 

 

A ÉPOCA EM QUE TUDO ERA BOM

A ignorância é atrevida, não canso de repetir, é frequente deparar com tiradas demagógicas do género: "naquele tempo era bom", querendo realçar as  virtudes  da ditadura Salazarista, onde afinal tudo seria justo e perfeito.

Felizmente é fácil demonstrar a verdade dos factos, de então, e reafirmar apesar de todos os defeitos e insuficiências, Portugal apresenta actualmente níveis de desenvolvimento ímpares; se algo ainda falta, é a erradicação de resquícios de mentalidades, formatadas ao longo de décadas de obscurantismo, ausência de liberdade e Democracia.

No Jornal de Sintra nº 1528, de 30 Junho 1963, deparei-me com noticia relativa à localidade de Rio de Mouro, no Município Sintrense do seguinte teor:                                          

ariomuro2.jpg

Numa fase de vigor do regime ditatorial, Dr. Oliveira Salazar na frente do governo,  dirigindo pessoalmente a Guerra Colonial, Rio de Mouro localidade às portas de Lisboa, onde dia após dia chegavam cada vez mais moradores, muitos fugidos da miséria que então caracterizava o meio rural do nosso País. Fazendo fé na noticia apesar de tudo, conseguiu passar o "crivo" da censura, as carências eram de toda a índole, de tal modo "se intercedia junto das entidades competentes" para conseguir cabina telefónica, pública. Não foi há tanto tempo assim, ainda nem passaram 60 anos. Para os saudosistas do Estado Novo, nesse tempo tudo era bom...

NÃO FOI ASSIM HÁ TANTO TEMPO

 Conhecer história das pequenas comunidades é importante para se compreender a evolução social e política do País.

Quem actualmente habite, ou passe  , pela localidade de São Marcos, pertencente ao Município de Sintra, União de Freguesias São Marcos- Cacém, onde moram mais de uma dezena de milhares de pessoas; não faz ideia ainda há menos de cinquenta anos, a  então diminuta população viveu dia memorável, segundo Jornal de Sintra nº 1891 de 11 de Julho 1970 :

     

amarco1.jpg

Num dia daquele mês pelas 21  horas Presidente da Câmara Municipal de Sintra Sr. António Pereira Forjaz, acompanhado de alguns vereadores, pelo administrador do Bairro de Queluz. e técnicos das Companhias Reunidas de Gaz Electricidade, distribuidora de electricidade no Concelho, foram recebidos com aplausos de muito publico, salvas de foguetes e morteiros ; imediatamente se procedeu a ligação da corrente eléctrica.

Depois pelas ruas já iluminadas, cortejo dirigiu.se ao Largo da Sociedade Recreativa , onde numa tribuna construida para o efeito se realizou  sessão solene comemorativa da inauguração.

No final nos salões da Sociedade foi servido beberete de honra as individualidades  presentes.

O presidente da Junta de Freguesia de Agualva Cacém , lembrou  agora ficavam a faltar em São Marcos , abastecimento de água ao domicilio , rede de esgotos, e .. a substituição da ponte ligava, São Marcos a estrada Caxias - Cacém. Estas aspirações seriam concretizadas, só depois de 25 Abril 1974.

São Marcos , a 15 quilómetros do centro de Lisboa, apresentava este rol de carências. O restante Portugal, uma dor de alma, isto no inicio da década 1970. O Estado Novo  foi uma desgraça para Portugal e os portugueses , e ainda há gente a incensar a ditadura.

MELHORAMENTO "IMPORTANTE" EM SINTRA - 1969

Amiúde tenho ouvido perguntar: "onde estava em 1969?" - a propósito de se completar o 50º aniversário daquela efeméride...

Sem desejar qualquer polémica, nem discorrer acerca da minha "estadia" de então, encontrei no meu acervo arquivístico, informação relevante demonstrativa do estado de atraso que concelho de Sintra apresentava na época. O Jornal de Sintra nº1858, noticiava em três colunas, na primeira página, o importante melhoramento em execução por iniciativa da Junta Autónoma das Estradas (antepassada da actual Infra-estruturas de Portugal). Pretendia-se, como podemos observar na foto, reconverter o local onde durante muitos anos funcionou o matadouro Municipal, demolido precisamente em 1969.

O proveitoso  trabalho realizado no Largo do Matadouro, na curva para Ribeira de Sintra, era relevante e necessário para permitir melhor fluidez e segurança do tráfego automóvel, muito intenso, sobretudo no Verão.

Assim ia "andando"  o Município de Sintra, às portas da capital do Império, imaginemos nas distantes terras do interior do País, como seria?! 

 

abeira.jpg

DESASTRE, LINHA FERROVIÁRIA DE SINTRA

 Jornal de Sintra, nº 1528 de 30 Junho 1963, na primeira pagina, inseria a noticia.

                                           

acp.jpg

 Sem qualquer outra informação, facilmente depreendemos ter sido "cuidado e zelo " da comissão de censura, sempre vigilante para não causar alarme, como então se dizia.

  Aconteceu, resumidamente, o seguinte :

Dia vinte e três de Junho,uma terça-feira. cerca das 17 horas e vinte minutos, na estação de São Domingos de Benfica, já demolida,  situada junto a Mata de São Domingos, a seguir ao edificio dos Pupilos do Exercito;  comboio rápido procedente do Rossio com destino a Amadora, chocou com traseira de comboio de mercadorias 12 vagões , carregado de cal parado na estação.

O maquinista do rápido, não respeitou  sinal vermelho da sinalização. Resultado três mortos e 42 feridos alguns deles em estado grave.

O estrondo do embate, silvo estridente de sirenes  das ambulâncias dos bombeiros, anunciavam ter havido  tragédia.

Vivia com meus pais  no Bairro dos Guardas, no Forte de Monsanto, não muito distante da estação, por isso corri para lá, pude observar cenário  horrível. muita gente a sangrar, gritos, de pessoas presas nos destroços; o rápido seguia lotado,  até admira  numero de vitimas mortais , não ter sido logo maior, porque alguns feridos,acabariam por falecer nos hospitais. 

Ao ler a " local " do Jornal de Sintra, facilmente se compreenderá a " mordaça " existia no Portugal Salazarista,  até para " calar " as desgraças. 

UMA PLACA TOPONÍMICA "TRÁGICA"

O largo principal aldeia de Albarraque, freguesia de Nossa Senhora de Belém em Rio de Mouro, município de Sintra, ostenta designação de:

PA047706.JPG

Simples recordatória de alguém, na qual não foi colocada qualquer informação acessória, ajudando  identificar porquê da homenagem. Infelizmente por detrás da atribuição do nome está motivo trágico e muito triste, no seu tempo comoveu Portugal Inteiro.

No dia 16 de Outubro de 1966, um domingo, realizou-se na Praça do Campo em Lisboa, uma corrida de touros, organizada por iniciativa do grande aficionado, João de Castro, cujo produto revertia a favor do Orfanato Escola Santa Isabel, sediado em Albarraque.

O cartaz da corrida,  composto por figuras destacadas do universo tauromático, entre elas  novilheiro espanhol, famoso Paco Camino.

Um  cavaleiro do cartel,  Joaquim José Correia, popularmente conhecido por "QUIMZÉ", natural de Évora, residente na Cova da Piedade, no entanto, vivia também no concelho de Sintra, onde os pais possuíam propriedades, nas quais os seus cavalos eram assistidos, sob orientação de um amigo.  conhecida personagem do mundo taurino.

Na corrida "Quimzé" montou o melhor cavalo da sua "quadra" denominado  de:Tirol.

Quando lidava um touro "Rio Frio", cavalo resvalou na areia da praça, molhada pela chuva e o cavaleiro caiu sob a montada, sendo depois colhido, brutalmente, pelo novilho, ficou inanimado. Conduzido ao Hospital de São José não resistiu às lesões; faleceu cerca das oito horas da noite, no dia que completava vinte e um anos de idade. Foi grande comoção em todo País, o corpo seria velado por milhares de pessoas na Basílica da Estrela.

A Câmara Municipal de Sintra, por proposta da Junta de freguesia de Rio de Mouro, deliberou atribuir  nome do desditoso cavaleiro ao largo "grande" de Albarraque.

Na singeleza da placa toponímica, não se vislumbra a tragédia que serviu de pretexto à sua colocação, fica aqui a sua "explicação".

SINTRA DESCONHECIDA - SEGREDOS DE RIO DE MOURO

A Aldeia de Covas, pitoresca localidade da freguesia de Rio de Mouro no  município de Sintra, durante séculos apesar pertenceu ao termo da Vila de Cascais, no centro da aldeia, deparamos com o seguinte:

P9267699.JPG

A designação, induz em erro, talvez se tenham lembrado de atribuir o nome por contraponto a outra rua das redondezas: "Rua dos Girassóis", no entanto não penso seja engano...

A Campainha é flor que floresce no fim do Inverno e anuncia a Primavera, simbolicamente segundo Chevalier e Gheerbrant, representa um consolo e uma esperança em dias melhores.

Curiosamente coincide com antigo caminho dos povos da margem direita da  "Ribeira de Redemouro ", usavam afim de assistirem a missa e ofícios divinos na igreja Matriz de Nossa Senhora de Belém, visível ao longe. Para os crentes, nada mais apropriado na busca de consolo e esperança que sacramento da comunhão na Santa Missa, daí a justeza das  "CAMPAINHAS".

P9267697.JPG

O caminho desenvolve-se entre muros, finalmente desimpedido de ervas e silvado, graças ao cuidado do executivo da Junta de Freguesia de Rio de Mouro.

P9267694.JPG

Um arco coroa as paredes e serve de suporte a levada destinada a rega da opulenta quinta do Pinheiro, a mais importante e antiga da zona.

Azinhaga avança até à margem, onde a ribeira exibe aspecto cristalino e despoluído de tal modo que, quando acompanhado de minha mulher visitamos o local, pudemos observar bando de garças reais! Digo bando porque  seguramente  seriam mais de uma dezena.

 Sítio onde os transeuntes transpunham o curso de água, apresenta actualmente  este aspecto.

P9267689.JPG

A corrente cristalina do bucólico recanto, no coração de freguesia densamente povoada, é característica devemos a todo custo preservar, moradores e autarquias para ser possível, continuar fruir encantos da SINTRA DESCONHECIDA  guardados como  SEGREDOS DE RIO DE MOURO

P9267690.JPG

 

 

CUIDAR DO ESPAÇO: REALÇAR A BELEZA!

Atenção e cuidado, dispensados ao ambiente são o modo eficaz de suscitar interesse para preservar e fruir do encanto das coisas simples que nos rodeiam.

Vem a propósito  trabalho de limpeza do talude da margem esquerda da Ribeira de Fitares, efectuado no troço compreendido entre ponte medieval da Rinchoa, situada na entrada do Parque Urbano da Rinchoa, ambas sobre ribeira referida na freguesia de Rio de Mouro, Município de Sintra na Área Metropolitana de Lisboa.

Numa recente visita ao sitio fui surpreendido com aspecto cuidado, desimpedido da vegetação daninha, a imagem documenta: 

P9237687.JPG

A remoção do matagal e silvado permite visualizar  o caule invulgar do pinheiro bravo existente na ravina.

P9237685.JPG

O tronco quase oculto antes da limpeza, está agora desafogado, vendo a grossura  das "pernadas" podemos admitir estar na presença de árvore notável! Com os trágicos incêndios ocorridos na floresta portuguesa, talvez  somente no pinhal de Leiria possamos encontrar pinheiro bravo idêntico.

P9257693.JPG

 

Pelo método empírico determinação de provável idade deste tipo de árvores o   "pinheiro bravo da Ribeira de Fitares" terá cerca 80 anos, sendo silvestre é invulgar.

Graças a remoção do coberto vegetal, perigoso e desnecessário, ressurgiu  belo exemplar! Caso para afirmar, que deste modo ficou realçada a sua beleza.

A vinte quilómetros do centro da capital do país causa admiração, caso assim. Talvez fosse apropriado, colocar sinalética a referenciar esta árvore, para ser melhor conhecida e preservada.

P9237682.JPG

 

 

 

   

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D