Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

MISTÉRIOS DA RINCHOA

A urbanização da Rinchoa, idealizada por Leal da Câmara e concretizada através da empresa por ele constituída "A Realizadora" tem particularidades de traçado que devem ser realçadas.

 Em 1944, quando do congresso de "Mem-Martins e Rinchoa-Mercês" foi aprovada uma recomendação para que fossem dados às "ruas, nomes de árvores e flores".

Esta resolução do congresso tem sido respeitada até hoje e a Rinchoa é talvez o único sitio de Portugal onde não se atribuem nomes de pessoas nem de datas à toponímia das ruas.

Quem sabe, fruto das conversas aos serões, no Casal Saloioi, entre Leal da Câmara e os seus amigos, pessoas estudiosos do esoterismo, na Rinchoa há ruas, com aspectos e nomes com um toque de mistério.

A Avenida dos Plátanos  tem plantados nas suas bermas trinta e três árvores daquela espécie e não foi por acaso porque há espaço suficiente para mais....

Num dos topos da Avenida dos Plátanos fica a Avenida dos Carvalhos, no outro a das Acácias e no meio formando a mais longa Avenida da urbe a dos Choupos.

Estes pormenores fazem da Rinchoa uma povoação singular: o seu nome, as ruas, e agora até a localização que possibilita aos seus moradores a utilizarem duas estações de caminho de ferro modernas e funcionais:

Meleças e Rio de Mouro.

E há quem não repare nisto...

OS PLÁTANOS DA VÁRZEA DE COLARES

Nas bermas da estrada de Colares, em particular na Várzea, junto à Adega Regional, existem numerosos plátanos de provecta idade e porte altivo que dão ao percurso um ar agradável em qualquer estação do ano.

 A  Adega Regional de Colares, foi instituída em 1930 como medida para se proteger a qualidade do vinho de Colares, que no dizer de Ferreira Lapa "era o vinho mais francês que possuíamos".No entanto, para aumentar a sua graduação os produtores misturavam-lhe aguardente transformando um bom vinho numa mistela...

 Ao tempo da construção da Adega já existiam os plátanos frondosos que hoje podemos admirar desde a ponte da Várzea até ao Banzão no caminho da "Praia". São exemplares centenários nos quais os automobilistas apressados nem reparam.

A sombra destas árvores protegeu a fermentação de muitos "caldos" de boas colheitas que estagiaram dentro da Adega. Merecem pois que brindemos à sua saúde esperando no futuro sejam devidamente apreciados.

Para isso no local deveria colocar-se um painel informativo, chamando à atenção para estas imponentes árvores.

Os plátanos da Adega Regional de Colares são um dos "monumentos vivos" que povoam o Município Sintrense.

Um verdadeiro ex-líbris da antiga e nobre Vila de Colares...

 

OS CEDROS DA QUINTA DE FITARES

 

A meio da Calçada da Rinchoa, saindo do jardim onde foi erguida a memória a Leal da Câmara existe um conjunto de cedros alguns dos quais têm mais de cento e cinquenta anos.

Os seus troncos estão parcialmente enterrados no talude levantado para suster as terras quando das obras da urbanização em 1974.

Esta alameda é o que resta da antiga entrada, da Quinta de Fetares , que no século XVIII, era um casal, pertencente há Vintana do Algueirão", como se pode ler nas Memórias Paroquiais de Sintra de 1758.

 

Fetares : terra de fetos, passou por corruptela oral a "Fitares", como hoje se designa um dos bairros da Rinchoa.

 

Perto destes cedros existia até aos princípios dos nos 70, uma vacaria, último vestígio do que teria sido o " Casal de Fetares " , ultimamente conhecido por "Casal da Serra".

Estes cedros, vetustas árvores, merecem ser preservadas porque sobre as suas ramagens muita gente já passou e muitos trabalhos se realizaram; à sua volta por acção do homem, construiu-se o que se vê...

Fazemos votos, para que continuem a resistir por muitos anos mais, neste caso pode aplicar-se a máxima "As Árvores morrem de pé".

Afinal temos património, é preciso é conhecê-lo...  

 

AS ÁRVORES NO OUTONO EM SINTRA

 

 Sintra é um local único e mágico...

 

Aqui o homem conseguiu como em poucos lugares do mundo um compromisso ideal entre a natureza e a acção humana.

Em todas as estações do ano Sintra oferece-nos cenários de beleza impar:

Na Primavera com as brumas os ventos e o verde da folhagem e as flores, fresca e fria no Verão com o murmurio das águas das suas fontes balsamo para os poderosos do reino que fugiam à canicula de Lisboa.

Mas é no Outono e no Inverno que Sintra nos recebe doce e amena, sendo esta época do ano aquela em que é a mais apetecivél desfrutar da sua traquilidade. Para muitos a rainha das estações do ano em Sintra é o Outono, quando pelas encostas da serra o amarelo dourado das folhas das arvores matiza a paisagem.

A luz do sol transparente e o ar quieto e fresco, transmitem-nos uma sensação de paz que convida à meditação; perante um quadro que só vendo se pode sentir. O Outono em Sintra é uma dadiva da natureza que se nos oferece, generosa e bela, como em nenhum outro sitio de Portugal.

A SOBREIRA SECULAR DA RINCHOA

A Rinchoa é um dos locais mais apraziveis do concelho de Sintra. Apesar das "tropelias" urbanisticas mantem um encanto e uma atmosfera limpida e luminosa, que fizeram dela, durante decadas lugar de veraneio e repouso de muitos lisboetas.

Ainda há gente que recorda a pensão Maria Teresa, situada onde hoje está a agencia da Caixa Geral de Depositos, e desse tempo é também a Fonte do Rouxinol, que se abriga sob a ramada duma sobreira frondosa. Arvore que tem cerca de 200 anos e está localizada na Calçada da Rinchoa.

A Junta de Freguesia nos anos 90 do seculo XX, depois de termos chamado à atenção para este "monumento vivo", mandou construir um recinto para convivio e lazer junto ao seu admiravel tronco.

A sobreira da Rinchoa e o salgueiro ao seu lado formam um conjunto de arvores que pelo seu porte e idade têm de ser conhecido de todos. E serem classificados de interesse publico colocando-se junto a eles, informação que desperte a atenção dos transeuntes.

Os Rinchoenses merecem que seja preservada e protegida a sua secular sobreira porque é uma das memórias que restam do coberto florestal do sitio.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D