Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

OS PLÁTANOS DO ADRO DA IGREJA DO MACHICO - MADEIRA

A Igreja matriz do Machico na Ilha da Madeira tem um gracioso adro rodeado de Plátanos Centenários. E curiosamente no centro está colocada uma estátua de Tristão Vaz Teixeira, um dos descobridores da Ilha da autoria do escultor Anjos Teixeira  executada em 1971. Como se sabe na Vila de Sintra existe um Museu, que guarda trabalhos daquele escultor.

O Machico foi o local onde primeiro aportaram os navegantes do Infante D. Henrique quando pisaram solo madeirense. Em pleno Atlântico deparamos com semelhanças reportáveis a Sintra. O mais curioso é também como na nossa romântica Vila, encontramos  robustos e gigantescos PLÁTANOS, como a lembrar que para além doutras coisas que nos unem os povoadores quiseram plantar árvores que recordassem a Terra onde tinham partido.

À sombra dos plátanos do Machico, nos dias que a névoa cobre o vale, sentimos o sortilégio das terras onde tudo começa e o sonho segundo o Poeta, de facto, "comanda a vida".

No Parque da Liberdade em Sintra ou em MACHICO as árvores, como diria VIEIRA, "são o sal da terra", por isso "temperam" a nossa vida de Beleza e Força.

O ADEUS DO CAPITÃO CRAVEIRO LOPES Á CÂMARA DE SINTRA

Há 80 anos o então Capitão Piloto Aviador Francisco Higino Craveiro Lopes terminava o seu mandato de três anos como Presidente da Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Sintra cargo para que tinha sido nomeado pelo governo saído do movimento revolucionário de 28 de Maio de 1926.

A última reunião a que presidiu realizou-se na quinta feira dia 18 de Julho de 1929 a acta da sessão contém uma sua intervenção do teor seguinte:

 

 

 

 Eleito Presidente da República em 1951, Craveiro Lopes, foi o primeiro Português, que tendo presidido a uma Câmara Municipal chegou à mais alta hierarquia do Estado.

Quando cessou as funções na Câmara Municipal de Sintra, Craveiro Lopes, foi para Goa como ajudante de campo de seu pai, ao tempo, Governador do Estado da Índia.

Neste, como noutros aspectos precursores de mudanças a nível nacional, Sintra esteve sempre na primeira linha.

 

CAZAL DO ROUXINOL...

Em pleno centro da Rinchoa, um "bairro" de Sintra soalheiro e com uma vista deslumbrante para a Serra, encontra-se um EUCALIPTO, uma frondosa árvore com cerca de 20 metros de altura. Cresce numa propriedade cujo nome é: CAZAL DO ROUXINOL, conforme um azulejo colocado no muro onde se pode ver a data 1940. Não será errado atribuir o plantio do eucalipto por essa altura. Tem já uma provecta idade...

Estando no interior do casal e protegido pelos muros que a envolvem não sucederá a este eucalipto, o mesmo que vem num texto do livro de leituras do antigo ensino primário (hoje ensino básico) onde se lê:

"Era meia noite, quando um velho  eucalipto plantado à beira de uma estrada foi desassossegado no seu sono tranquilo por uma machadada no tronco, vibrada com alma por um camponês" (1958).

O eucalipto apesar de originário da Austrália tem uma grande difusão em Portugal desde o século XIX,quando começou a ser plantado.

O "cazal do rouxinol", confronta com a Rua da Capela assim denominada por ser onde ficava a capela da Rinchoa entretanto desaparecida.O nome do "cazal" presta tributo a uma ave frequente na região: o rouxinol, esta ave tem um canto melodioso que convida à vígilia noturna e faz esquecer o perigo que pode representar o dia. Na Rinchoa existem vários locais que referem directamente o seu nome como a "FONTE DO ROUXINOL".

Há uma quadra popular que lembra o carácter vigilante do pássaro: 

                                        

Nossa senhora disse disse disse

         Enquanto o "gavião" da videira subisse

     Que não dormisse que não dormisse

 

E esta cantilena, tenta reproduzir o cantar do pássaro...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D