Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

O RIBEIRO MOVENDO A SAUDADE

O arcade Alfeno Cynthio, pseudónimo que o Sintrense de Rio de Mouro, Domingos Maximiano Torres escolheu para si, demonstra o seu grande afecto pelo local onde nasceu. Além disso deixou-nos outras manifestações de quanto o inspiravam os sítios onde gostava de permanecer e nos quais hoje moramos. Para ilustrar esta afirmação, aqui fica um soneto de Alfeno, escrito em 1791.

 

Que triste horror,que muda soledade

Me abafa em torno nesta selva escura

onde a espaços vislumbra na espessura

Da lua incerta,e frouxa claridade

                                                                     

Ouço Melampo*uivar na minha herdade

A rouca rã em seu grasnar atura;

Ruge a aura surda, o lobrego murmura

o ribeiro movendo a saudade

                                                                       

Eis sinto a voz dos mochos agoireira

dobrar os guinchos na ouca penedia

Anunciam meu fim? O céu o queira

                                                                     

Que mortal mais feliz do que eu seria

Se meus anos a infeliz carreira

Aqui findasse sem mais ver o dia ?

                                                                      

 

Analizando o texto do poema,ficamos a saber que a inspiração surgiu na quinta do autor, em Rio de Mouro, que ele designou por "minha herdade". O ribeiro que movia a saudade é o curso de água que todos conhecemos "o mouro". É um belo e melancólico poema onde está patente a grande sensibilidade lírica de Domingos Torres, sem dúvida um dos grandes cultores deste género poético, da Lingua Portuguesa.

  

 

*Designação poética de um cão de guarda.                                                              

A FÁBRICA DA QUINTA GRANDE DE MELEÇAS

A Quinta Grande era uma propriedade que durante séculos existiu, onde hoje estão edificadas a estação ferroviária de Mira Sintra-Meleças, e a urbanização da Rinchoa, traçada por Leal da Câmara. A "herdade" foi terra que um dia "gemeu debaixo dos pés do Condestável D. Nuno Alvares Pereira" a quem teria pertencido.
Leal da Câmara, teve o sonho de transformar a Quinta Grande, numa espécie de Nova Tormes queirosiana; em parte conseguiu como um dia destes explicaremos. Durante séculos a Quinta, cuja área atingia os setecentos hectares, conservou, uma frondosa mata verde escura, formada por pinheiros mansos, sobreiros e carvalhos. Com a abertura do caminho de ferro, do qual a linha do oeste rasgou a propriedade começaram a surgir ideias para aproveitar os terrenos de forma mais rentável.

Na década de 1920, a Quinta Grande esteve para ser adquirida pelo Estado para ali instalar uma fábrica de pólvora. Aquele projecto apareceu com o propósito de subestituir a fábrica de Barcarena que na época,apresentava prejuízos. A Quinta Grande, detinha a vantagem de estar ligada à rede ferroviária, permitindo mais fácil abastecimento de matéria prima, indispensável ao processo produtivo, não só sulfato de enxofre, obtido das pirites alentejanas mas também, o carvão vegetal, a cal  e a água necessários,estes apesar de existirem  no local, não eram suficientes.

O empreendimento não vingou, porque  ao tempo tal como agora, as finanças públicas não permitiam. Deste modo a empresa "Realizadora", fundada por Leal da Câmara, adquiriu a quinta para urbanizar. Ainda bem! partilhamos um pormenor inédito sobre o Concelho de Sintra, esperamos que tenha sido um bom "tiro"... não de "pólvora seca".

O que resta do arvoredo da Quinta Grande - Meleças.

NO DIA MUNDIAL DA POESIA -LEMBRAR "ALFENO CYNTHIO"

Para assinalarmos este dia nada é mais apropriado que lembrar o nosso conterrâneo Domingos Maximiano Torres, natural de Sintra (Rio de Mouro) nascido no ano de  1748, e falecido em Almada (Forte da Trafaria) no de 1810. Muitos dos seus poemas cantam o bucólico rincão onde nasceu, e o rio que lhe deu o nome, como este, cujo final é o seguinte:

 

Graças a amor! assoma a feliz hora

                                                            

Tirada no seu coche

                                                              

De cem desejos servidos alados

                                                        

Em que me prometeu a minha Nize

De ouvir os meus queixumes namorados

Na floresta de platanos que assombra

A entrada da caverna veneranda

Donde em mil borbotões de espuma o Mouro 

Fervendo o seu licor perene manda

 

Domingos Torres o arcade "Alfeno CYnthio", émulo de Bocage e Filinto e de outros grandes da Academia cantou como ninguém o "insigne lugar" onde  escolhemos viver que contrariamente, ao que dizem alguns "bobos da corte"é singular e único, guardando no seu alfoz, aspectos que fazem dele um sítio maravilhoso que inspira os Poetas, e dá beleza ao nosso quotidiano.

 

          

 

                                                 

UMA TIPICA E RÚSTICA FONTE - ESQUECIDA

Em São Pedro de Penaferrim, freguesia do "arrabalde" da Vila de Sintra, existe uma ruela denominada: "Caminho da Fonte de São Pedro", no final da qual deparamos com objecto que lhe dá o nome.

Trata-se duma fonte cuja mina ostenta uma placa com a data de 1873. O local onde brota a água é um pequeno largo rodeado pelos altos muros das quintas da vizinhança. O ruído da água da bica é o único som que perturba o silêncio do lugar. Junto ao tanque para onde escorre a água são visíveis as marcas dos cântaros que os nossos antepassados encheram na fonte. Ao longo do muro um banco de pedra, onde quem sabe!? Quantos namoricos se realizaram. Enfim, é um desses cantinhos propícios à meditação e ao lazer, no entanto, para além da sua recôndita situação,o que chama a nossa atenção é o estado de abandono de tudo isto.Os muros já não devem ser caiados há décadas,o cano por onde corre a água, é de plástico, talvez um pedaço de tubo utilizado em instalações eléctricas. O empedrado do pavimento é um continuo de buracos. O único sinal de que o abandono não é total, é dado por uma aviso recente dos serviços de águas da Câmara Municipal de Sintra,dizendo que a água não é controlada.

A fonte de São Pedro é exemplar raro de como se abasteciam de água as populações rurais, no Portugal de oitocentos, porque está numa zona de grande fluxo turistico deveria ser convenientemente divulgada, para que sendo mais visitada mitigar o seu estado de abandono e esquecimento.

 

 

 

REPARADO O ACTO DE VANDALISMO

Afinal devemos ter esperança! As instituições do nosso País, quando confrontadas com factos como os que enunciamos no post de 23 p.p. tem a capacidade de agir para resolver a situação. Ao tomar conhecimento da "notícia", a Câmara Municipal de Sintra resolveu actuar.

Na segunda-feira seguinte a 27 de Fevereiro de manhã estavam a ser removidos: cabos, tubos e demais aparelhagem fixados no painel. Graça Morais, e a sua obra merecem, porque ocupam por mérito um lugar de relevo na cultura portuguesa.

Só é de lamentar a falta de planeamento e cuidado que permitaram tão "infausto" acontecimento. Devemos saber retirar ilações para não se repetirem actos idênticos.

Alguns dos comentários que recebemos questionavam  se era possível saber  a autoria do painel. Claro, está devidamente assinado. Devemos congratular-nos pois cumprimos o nosso dever de cidadania. Valeu a pena, GRAÇA MORAIS merece. Muitos  ficaram a saber que no Município de Sintra, está em local público, uma obra de arte que embeleza e dignifica o sítio onde está colocada.  Deve ser conhecida,  valorizada e preservada para ser vista por quem passa, como um exemplo de que o talento e criação artística, podem contribuir para tornar o nosso quotidiano mais belo e luminoso.

 

  

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D