Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

Em louvor das árvores.

Árvores solenes e austeras silenciosas companheiras plantadas nas bermas dos caminhos, eu vos saúdo, e agradeço a sombra fresca que mitiga os calores estivais e  as folhas que pintam de tons púrpura e oiro os poentes rubros de Outonos caniculares. O balouçar lento da folhagem cadente arrancada dos ramos pelo sopro ventoso mensageiro da estação da invernia. Árvores símbolo de perenidade e estoicismo que morreis de pé, e estais sempre prontas para aturar lamentos e aceitar no vosso tronco os golpes dos devaneios amorosos de pueridades juvenis, sem alterar a majestade do vosso perfil. Árvores minhas amadas, quantos quilómetros percorri ao longo da vida só para admirar fustes grandiosos, e copas anchas como latadas pampinosas? Árvores de todas as espécies quando finalmente vos contemplava, emocionava-me por que Deus permitiu, admirar-vos: antigos carvalhos do Gerês ou a velhinha "carvalheira do presépio" em Castro Daire, castanheiro de Guilhafonso, Plátano de Portalegre ou o Pinheiro de São Bernabé nas serranias espanholas de Teruel e que já não existe, e muitos mais....

Hoje quero saudar em particular, o vigoroso freixo, plantado na orla do passeio de uma das artérias principais  do sítio onde moro, saudação especial porque em tempo houve quem afirmasse que estava doente e ameaçava  secar. Conseguimos provar que o problema se devia ao facto de o tronco no seu processo de crescimento,estar a ser estrangulado pelo muro adjacente, por essa razão  a seiva não  circulava, provocando a morte de alguns ramos, seria preciso derrubar parte do muro e dar mais espaço árvore. Felizmente, ouviram-me o freixo viçoso e pujante, continua a impressionar  quem o observa. A sua idade exacta, não sabemos, mas sem dúvida, é centenário. Resistiu ao ciclone, quem o terá plantado? O local deve ter sido escolhido por ser próximo da fonte onde os aldeões da Rinchoa se abasteciam de água.

 Os gregos consideravam o freixo um símbolo de grande solidez,esta característica ressalta quando admiramos este espécime.O freixo da Rinchoa,de folhagem sempre verde,parece garantir que o tempo primaveril nem sempre  acaba;o fuste  majestoso demonstra: aqui nunca foi subúrbio,e sim ao longo das épocas uma terra onde decorreu a vida de muitos homens e mulheres que nos legaram entre outros testemunhos, esta grandiosa árvore, e a certeza que onde existem árvores seculares são lugares com alma, e não periferias "desalmadas".

PA182701.JPG

 

PA182698.JPG

 

     

Voltou a Feira das Mercês

Como sucedeu ao longo de de quase dois séculos e meio, ai está a feira das Mercês este ano organizada sob egide da Câmara Municipal de Sintra e apoio das Juntas de Freguesia de Algueirão Mem Martins e Rio de Mouro. Um reunir de esforços digno de nota. O recinto para a venda e diversão está restringido ao terrado do cruzeiro, sendo o acesso dos visitantes feito atravessando dois vistosos pórticos um do lado da Calçada da Rinchoa e o outro da banda da estação das Mercês. Deste modo garantiu-se o adequado controle e segurança para se evitarem os precalços que há uns tempos atrás se verificaram.

Os feirantes nas suas vistosas tendas estão vestidos a rigor recriando a "vestimenta" dos seus antepassados. Além das nozes e castanhas e leitão, e carne de porco a "moda" das Mercês  carroceis e artesanato na feira deste ano existe um pavilhão com informação autárquica. A feira decorre nos fins de semana dos dois ultimos domingos de Outubro. Assim nos próximos dias 24 sexta-feira, a partir das 17 horas e todo o dia sábado e domingo, cumprimindo o decretado definitivamente, pela Rainha Dona Maria I em 1771: "Sou servida declarar que os moradores do sítio da ermida das Mercês devem continuar  a sua feira no 3º e 4º domingos do mês de Outubro", terminando "Mando assim o façais executar". E mandou muito bem. Vamos todos à feira provar a água-pé, comer peras cozidas.e conviver como bons cidadãos, sexta-feira dia 24 o evento inicia-se ás 17horas,sábado e domingo ás 10horas.

Para ilustração deixamos "vistas" da estação ferroviária das Mercês e passagem de nivel junto à mesma na década de 30 do século passado. (fonte:ANNTT).

PT-TT-EPJS-SF-001-001-0009-0844C_derivada.jpg

SEC-AG-1052L.jpg

 

 

Roteiro dos Pregos e Bitoques.

Em Novembro do pretérito ano de 2011, neste espaço cultural,escrevemos chamando a atenção para a excelência dos bitoques e pregos especialidades culinárias do universo gastronómico sintrense. A confecção alcança apurado sabor olfacto tentador e apelativa apresentação nas "bitoquerias" da zona de Rio de Mouro, Rinchoa e Cacém no concelho de Sintra. Acompanhamento dilecto para saborear cerveja a copo, tirada como deve ser, pregos e bitoques, malgrado a sua difusão por inúmeras paragens em Rio de Mouro fica o "berço" hodierno do qual  irradiaram: "O arco Íris"café restaurante, situado na Avenida Infante D. Henrique, uma das principais artérias da urbe, perto da estação ferroviária da "vila", teve importância pioneira, no sentido de guindar estes "pratos" à condição de "vedetas" alimento delicioso de quem pretende gastar pouco dinheiro e beber, regaladamente umas "bejecas".

Aquele restaurante  com a sua "chapa" constituem uma espécie de "escola de formação", por onde passaram alguns proprietários de "bitoquerias" das redondezas e mais além. Exemplo do que relatamos ainda em Rio de Mouro, Rua do Rio, defronte  do Centro de Saúde Dr.Joaquim Paulino, inaugurado em 1986, deparamos com o "Zé do Prego" restaurante que abriu portas mais ou menos nessa época, por iniciativa do senhor Zé; durante dilatado tempo, esta" individualidade" muito estimada pelos seus clientes, "virou " com mestria, na chapa do "arco iris", milhares de pedaços de carne, tenra e suculenta, cortada de forma adequada, matéria prima de pregos e bitoques de "comer e chorar por mais" aguçavam o apetite dos "habitués " que assistiam á feitura do "petisco" sentados nos peculiares bancos colocados altura do grande balcão corrido da casa. Regalava observar o profissional competente na azáfama estender a "chicha"  estrelar  ovos fritar batatas regar a quente superfície metálica com cerveja base, do molho das "guloseimas", tudo feito com a alegria e desembaraço. Não causou estranheza  quando decidiu trabalhar por conta própria. No "Zé do Prego", a perfeição continuou, muitos dos seus "admiradores " passaram a clientes no novo "poiso". No roteiro da "zona demarcada", os pratos desta "bitoqueria", merecem não só "estrelas" mas também  elogios de quem aprecia  pitéus.

PA032685.JPG

 

.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D