Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

O HOSPITAL AMADORA - SINTRA, NÃO EXISTE

O hospital  serve os municípios de Sintra e Amadora, construído como corolário do projecto do Hospital Ocidental de Lisboa, cuja implantação deveria ser nos terrenos do Parque Florestal de Monsanto e chegou a ser adjudicado  pouco tempo antes da Revolução de 25 de Abril de 1974, na sequência das alterações sociais e políticas que se seguiram, o processo parou. Retomado mais tarde, foi construído no local onde hoje está em terrenos pertencentes ao Estado Português.

A unidade hospitalar vulgarmente designada por incúria ou preconceito, hospital Amadora-Sintra, contrariamente a hospitais semelhantes, por exemplo Garcia de Orta nunca ouvimos referir por "hospital Almada-Seixal". Acintoso hábito, talvez, com  intenção de lançar  labéu de descriminação injustificada da região servida pela unidade  hospitar,  também porque aqueles que se autoproclamam "comissão disto e daquilo ", desejam que  desconforto e animosidade perante o "anonimato ", conduzam as populações a  sentimento de rebeldia conducente a garantir voto de protesto em actos eleitorais.

No presente caso omitir o nome do patrono do hospital, é acto de incultura e ingratidão porque a homenagem que se pretendeu perpetuar é merecida.

O professor Doutor Fernando da Conceição Fonseca, ilustre médico, catedrático da Faculdade de Medicina de Lisboa, cidade onde nasceu em 1895, e igualmente faleceu em Julho de 1974.

Investigador de renome mundial na área da bacteriologia e controle do colesterol.Participou na primeira guerra mundial, integrado no serviço de saúde militar. Depois do conflito concluiu doutoramento em medicina na Universidade de Berlim. Durante a segunda guerra mundial (1939-1945), aprofunda os seus estudos e  nomeado através de concurso público, docente na Universidade de Lisboa. Por essa altura, conheceu o Senhor Calouste Gulbenkian aquele magnata chegou a Portugal gravemente doente, o Professor Fonseca, chamado para observar curou a enfermidade.Este facto proporcionou desenvolvimento de grande amizade entre ambos.Em 1947, participou numa reunião do MUD, movimento de unidade democrática de oposição á ditadura Salazarista. Nessa ocasião proferiu  violento discurso onde denunciou  estado de atraso lamentável do serviço de saúde em Portugal.Claro foi demitido da função pública, impedido da docência universitária. O seu amigo Professor Gentil Martins, salazarista convicto, conhecedor da competência científica de Fernando da Fonseca, mandou instalar no IPO de Lisboa  laboratório onde aquele pudesse continuar as investigações, e informou Salazar da decisão. O ditador, dedicava grande admiração ao Professor Gentil teve de se resignar. Mais tarde não quis  ser readmitido no serviço do Estado.

Terminada a segunda guerra mundial o senhor Gulbenkian pensou partir para os Estados Unidos da América, todavia somente iria se o Professor Fernando Fonseca o acompanhasse. O médico recusou  convite, o milionário decidiu ficar em Portugal até ao fim, porque só confiava a saúde aquele clínico. Calouste Gulbenkian resolveu criar a fundação que tem  seu nome, pediu a colaboração do Professor este, apresentou-lhe o advogado, Azeredo Perdigão a quem o milionário encarregou de redigir os estatutos da instituição.

O Professor Fernando Fonseca por vontade do patrono da instituição,foi nomeado administrador vitalício A existência da Fundação Gulbenkian,ficou a dever-se em grande medida,ao sábio e competente médico, porque se tivesse aceite a proposta de acompanhar Gulbenkian não teríamos a fundação que tantos e tão relevantes serviços tem prestado a Portugal e aos Portugueses.

 É de elementar justiça, citar sempre o hospital pelo nome do seu patrono, para que a memória de quem honrou a ciência  Pátria e a democracia se não perca. Viva o HOSPITAL FERNANDO FONSECA, abaixo o "Amadora-Sintra"..PIM: 

PB272788.JPG

PB272791.JPG

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D