Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

A " FONTE DA ARANHA" Significado do topónimo

Fonte da aranha, é uma nascente situada no concelho de Sintra, na antiga freguesia de São Pedro do Almargem do Bispo. Diversas ocasiões descansei no pequeno recinto na beira da estrada que embeleza vetusta "bica" agora seca.

Um bosquete de sobreiros e carvalhos cobre a colina donde brotava a água. A fonte matou a sede a muitos passantes e  sem dúvida a frequentadores da festa de Nossa Senhora da Piedade da Serra, cujo templo se ergue nas proximidade. Está validado por documentação coeva, que aqui passava na idade média, o caminho percorrido pelos peregrinos  de Lisboa a Santiago de Compostela na Galiza.

A fonte da aranha é citada nas memórias paroquiais de 1758, com sendo um casal.Por certo ao longo dos séculos devido a amenidade destas paragens, alguns povoadores resolveram quedar neste sítio.

Nos primórdios existia no local um albergue ou abrigo onde os romeiros a Compostela, descansavam e aproveitavam a  fonte para saciar a sede e lavar as mazelas que as longas caminhadas acarretam.

Havia curiosidade da nossa parte, descobrir porque motivo se teria dado ao manancial o nome do aracnídeo.E o elemento estalagem albergue, abrigo,orientou o nosso pensamento no sentido de aranha estar relacionada com "teia, fio, casulo etc." palavras relativas ao conforto. Há pouco tempo, tive uma epifania, a minha neta  começou a dar as primeiras passadas e necessitou dum aparelho designado por "aranha" para se amparar. Isso mesmo a aranha é um amparo que auxilia a caminhar, era a função do albergue. Eis a solução a fonte seria anterior ao abrigo dos peregrinos , quem sabe uma simples choupana, "tecida " com ramaria de árvores, o nome depois atribuído :" fonte da aranha",resultou da situação daquela ser  junto do ponto de apoio onde caminheiros, retemperavam forças e ganhavam alento para prosseguirem a dura jornada. Estou contente, consegui decifrar o "enigma" e partilhar com aqueles que visitam o "blog".

P7073405.JPG

 

P7073406.JPG

 

Praias da Comporta - A Costa do mosquito em Portugal- O mosquito Outra vez

Confesso! não queria escrever sobre isto, no entanto, tomei conhecimento pela "net" das declarações de uma Senhora, cujo nome desconheço, teria afirmado, qualquer coisa do género: "vou para a Comporta, para brincar aos pobrezinhos". Soube mais tarde a Senhora se retatrou considerando infelizes as declarações  pediu desculpa: assim bem. Sobre esta região, conheço um pouco da sua história,e características intressantes, resolvi partilhar:

No decurso da minha actividade profissional, quando exercia a função de técnico de electricidade, fui responsável pela electrificação da herdade da Comporta. Coordenamos a construção e montagem dos postos de transformação da Comporta, Torre e Carvalhal, tudo sítios pertença da herdade cuja  área é de cerca 20.000 hectares. Isto  antes de Abril de 1974, o material ido de Lisboa era transportado para a Comporta via Grândola, por estrada de terra batida. A actual  vinda de Alcacer do Sal, terminava na Carrasqueira. A de Tróia, já chegava à povoação da Comporta,  estava alcatroada, porque se haviam iniciado  obras do empreendimento da Torralta.

Nesse tempo a designação da Comporta era: "Atlantic Company", no entanto já pertencia, aos actuais proprietários. A administração, exercida por homem notável, distinto velejador, membro da família donatária. O metodo de gestão agricola da herdade, baseava-se em preocupações sociais, avançadas para a época. Os proprietários faziam "vista grossa" à construção, no interior da herdade, de novas habitaçoes de madeira cobertas  de colmo. Só na altura da electrificação,cujos encargos foram suportados integramente,pela "The Atlantic Company" se efectou levantamento das casas existentes, para impedir  aparecimento de mais,  instalarem-se contadores,todavia o preço da energia seria suportado pela empresa, gratuito para os moradores. A entidade responsável pela distribuição da electricidade U.E.P, união eléctrica portuguesa integrada na EDP, na sequência da nacionalização do sector energético.

Na aldeia da Comporta, existiam escolas, fábrica de descasque de arroz, estabelecimento comercial para abastecer moradores duma extensa zona, também, um aérodromo. Isto serve de preâmbulo, para manifestar a nossa preplexidade, pelo facto de gente endinheirada construir mansões, na Comporta e arredores, uma das regiões doentias de Portugal, sujeita a pragas de mosquitos em qualquer altura do ano. Não é possível permanecer ao ar livre à noite sem ser picado por insectos. Nas  "Cartas Elementares de Portugal", Bernardino Barros Gomes (1839-1910) escreveu: "o mau esgoto das águas junto à costa produz os pantanos da Comporta e uma forte tendência para a cultura de arrosaes, nas poucas baixas onde alfluem as águas mantendo com ella a insalubridade local".

Em face do descrito, Comporta é sítio para brincar mas... á  caça do mosquito.O problema da proliferação de mosquitos não só aqui, mas também noutras regiões do País deve ser encarado com grande empenho e determinação pelas autoridades sanitárias, senão voltaremos ter paludismo em Portugal, irradicado graças ao trabalho da estação para  controle da doença, instalada na povoação de Águas de Moura, situada,a exemplo da Comporta no distrito de Setúbal. O texto acima  publicado aqui em Agosto de 2013. Hoje a imprensa falada e escrita, informa "testes laboratoriais confirmam virus  do Nilo no Algarve, revelou a Direcção Geral de Saúde (D.G.S.)." E no Vale do Sado ? Lançamos  alerta, o assunto é sério., não tenho  habito de escrever acerca do que não sei.Deixem de tretas do "um bloguer anónimo".A estupidez essa felizmente tem nome "soberba". 

@imagem de: pigsgetfedhogsgetslaughtered.blogspot.com

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D