Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

Património Local Recuperado: "Pedra de distância"

A antiga estrada real Lisboa a Sintra iniciava-se onde hoje é a Praça de Espanha bem no centro da capital portuguesa; prolongava-se pela estrada de Benfica até às Portas daquele nome, cruzava:  Amadora, Queluz, Tascoa, Casal de Massamá. Transposto o sitio onde mais tarde seria a passagem de nível do Papel na linha ferroviária do oeste chegava ao alto do Cacém, Ranholas, Chão de Meninos e finalmente Sintra.

Devido ao grande desenvolvimento da Fábrica de estamparia de Filipe José da luz foi bifurcada e um dos "tramos" passou a servir o aglomerado populacional de Rio de Mouro. Na berma da estrada foi colocado, encastrado na parede de uma das quinta que ladeia a via, marco quilométrico indicando  até Lisboa a distância de 20 quilómetros.

A memória rodoviária, elemento do património identitário do local permaneceu esquecida, sujeita a  desaparecer por vandalismo ou acidente de tráfego. Diversas ocasiões nas Assembleias que participava, Municipal de Sintra e Freguesia de Rio de Mouro chamei à atenção para a situação. Ninguém fez nada para "salvar" o marco quilométrico.

Um dia destes tive uma epifania desloquei-me a "Rio de Mouro Velho", constatei que o marco havia sido cuidadosamente retirado da perigosa "estância" onde se encontrava e colocado dignamente no centro da "urbe" perto da Igreja Matriz de Nossa Senhora de Belém,  fronteiro à Sociedade Recreativa. Entregue a cuidada da recuperação pelas mãos de hábil artífice formado na Escola de Recuperação do Património de Sintra, situada junto ao Museu Municipal de Arqueologia em Odrinhas. Concluído o trabalho a peça  será elemento enriquecedor do património local.

Acção meritória do actual executivo da Junta de Freguesia de Rio de Mouro, principalmente do Presidente Bruno Parreira, natural de Rio de Mouro paladino da defesa das tradições e história do território sob tutela da autarquia. No final de ano dealbar de 2016, acontecimentos como este contribuem para  ter esperança em dias menos tristes, enquanto existirem pessoas a respeitar e preservar legados do passado, por mais simples, poderemos aspirar a futuro onde a cidadania permita quotidiano fraterno  e solidário.

PC123702.JPG

 

 

ALTIVA PALMEIRA DA RINCHOA QUE RESISTE A VENTOS E PRAGAS

A palmeira  árvore de ramagem sempre verde simboliza a vitória e ascensão, e  crença na imortalidade.

Na Rinchoa freguesia de Rio de Mouro no antiquadíssimo termo da vila de Sintra, área metropolitana de Lisboa, deparamos um dia destes com uma palmeira da variedade "washingtonia fifiesa".A árvore deve ser quase secular, cresce no interior da quinta,  denominada "quinta do Mota", um pouco acima da outrora apelidada "cova da onça". Era difícil reparar na imponente palmeira até os últimos temporais, provocarem  derrube de um muro de suporte da casa da quinta. A protecção civil municipal , por motivo de segurança efectuou a demolição do prédio, bastante degradado.Assim a altiva palmeira ficou mais visível e despertou a minha atenção. Apurei que a árvore já existia quando  o grande ciclone de 1941  devastou Portugal.

Talvez a palmeira de caule mais elevado que podemos encontrar no Município de Sintra, não temos a certeza, sem dúvida  uma bela árvore que resistiu a ventos e pragas ; outro motivo para considerar a Rinchoa, sítio singular. Graças a benignidade do clima e  fertilidade da terra onde está plantada atingiu porte magnifico. Comparando com o poste de  iluminação da Calçada da Rinchoa , e visível na foto, a altura da "altiva palmeira" será cerca de 20 metros , máxima que esta espécie alcança.

P1023723.JPG

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D