Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

ÁGUA DO VERÃO QUENTE

O denominado PREC (processo revolucionário em curso) popularmente apelidado de: "verão quente" decorreu no ano de 1975, período onde se cometeram alguns excessos, que fizeram perigar a essência do movimento dos capitães de 25 de Abril 1974.

No concelho de Sintra, a exemplo do que ocorreu por todo País, grupos de cidadãos, organizados primeiro de forma espontânea e genuína depois, "tutelados" pelos partidos políticos emergentes, dizia, tais "comissões ", meteram ombros a sem número de projectos, porque a ditadura salazarista, deixou um rol de carências, e se não tivesse  eclodido a Revolução de 1974, ainda hoje estariam por colmatar.

Abastecimento de água e saneamento, no Município de Sintra eram rudimentares, quase exíguos na área rural, a situação neste como outros aspectos apresentava problemas de toda a índole.

Moradores das aldeias e lugares, meteram ombros à "luta",  assim no lugar de Casais da Cabrela, na altura pertencente a freguesia de Terrugem, alguém teve ambição de erguer fontanário onde os moradores, pudessem obter água em condições. O abastecimento ao domicilio não havia, e algumas fontes onde encher o "cântaro" eram de chafurdo, perigosas para a saúde. O fontanário construido em mármore por experimentados canteiros, surgiu no largo dos Casais, sendo inaugurado em 1975, conforme  reza  inscrição na base da "bica".

O fontanário cumpriu a função de mitigar a sede durante muitos anos, actualmente porque todos dispõem de água no domicilio, está seco, para não quedarem dúvidas, os autarcas da actual união de freguesias São João das Lampas e Terrugem, lavaram daí as mãos, declinando qualquer responsabilidade no facto do fontanário estar remetido ao "papel " de airoso de monumento.

Caso para dizer: água que o verão quente fez brotar, a espuma dos dias fez secar... é a vida como diria o outro. 

PA236939.JPG

PA316949.JPG

 

 

CACHO DOURADO DA INGRATIDÃO

António Brandão de Vasconcelos, republicano, senador, médico, agricultor,adepto da agricultura moderna servida de assalariados pagos com salário justo.Viveu  em Colares,Município de Sintra, onde decidiu terminar a vida, em Janeiro de 1934.Fundador entusiasta dinamizador da Adega Regional de Colares, com objectivo de garantir qualidade e preço de venda compensatório para o produto mais emblemático da região , o " VINHO DE COLARES ". Um dos grandes defensores dos interesses da região de Sintra.

Decorridos apenas três anos sobre  data do falecimento, em Julho de 1937 realizou-se em Colares   luzida festa,na presença do Senhor Presidente da República Óscar Carmona, com finalidade de  entregar ao rancho de Colares, no Outono de 1936, havia concorrido, a Festa Vindimária de Lisboa, onde ganhou troféu denominado  « Cacho Dourado »,porque a colheita dos vinhedos da região colareja, merecia tal distinção;  " o objecto entregue significa a imagem real e o símbolo venerador do fruto precioso que o nutre, dá saúde e riqueza a gente moradora neste lugar ", afirmou na ocasião o orador convidado Dr. Samuel Maia.

 

As festividades decorreram no pátio da Adega Regional, teve participação das bandas, União Sintrense, Escola Profissional da Paiã, Grémio Musical de Almoçageme, e da famosa fadista  Adelina Fernandes madrinha do rancho.  Individualidades presentes entre outras, Ministro do Comércio Teotónio Pereira, Governador Civil de Lisboa, Presidente da Câmara Municipal de Sintra,e pároco de Colares, senhor Padre José Barreto.

Nos discursos oficiais , Presidente da Câmara, saudou o chefe de Estado e membros do governo. Chefe de Estado,de improviso,fala de " Alberto Tota,  a alma da vila de Colares pessoa a quem se deve , em grande parte a organização da Adega Regional de Colares, bela obra, de um efeito social admirável ".Carmona abraçou  Alberto Tota,  assistência manifestou-se com uma prolongada salva de palmas, e muitos vivas.

Por último servido ao ar livre um Colares de honra a todos convidados e visitantes,A festa continuou com música foguetes,alegria boa disposição.

Ninguém lembrou a acção de António Brandão de Vasconcelos em prole da região de Colares e Adega Regional, evento,teve mérito demonstrar , mais uma vez , frequente é ingratidão e a inveja,por quem se esforça e trabalha em beneficio da comunidade...

foto da " festa"

cachu.jpg

 

 

SINTRA. COINCIDÊNCIAS

No  remoto ano de 1937  meios de informação difundiam  notícia : "  Sintra esteve em festa mais uma vez. A Câmara Municipal, inaugurou o seu Parque Municipal, propriedade antiga que pertenceu aos condes de Valença ".

O acto estava programado para se revestir de pompa, incluindo almoço de gala no salão nobre do Palácio Valenças, onde actualmente reúne Assembleia Municipal.ao repasto deveria presidir o  Presidente da Republica General Óscar Fragoso Carmona ; escrevi deveria porque não aconteceu, culpa de acontecimento inesperado, e que marcou esse dia 4 de Julho.

Com efeito, quando o automóvel que transportava Dr.Oliveira Salazar,parou pelas 10 horas e 20 minutos, junto do prédio nº 96 da avenida Barbosa do Bocage em Lisboa,residência do Dr.José Torcato,em cuja capela Salazar, todos os domingos assistia a missa, no momento que o Chefe do Governo pisava  passeio ouviu-se grande explosão, fez ir pelos ares a placa central da avenida e  estilhaçar vidraças das habitações das redondezas.Salazar saiu ileso, os autores do atentado, erraram  cálculos.

A ocorrência suscitou  consternação no País.Em Sintra como Presidente Carmona tardava individualidades presentes, decidiram almoçar, sem a sua presença .

No entanto, pelas 15 horas Carmona , chegou, justificando  atraso, pela visita a Oliveira Salazar para se inteirar do seu estado.Inaugurou oficialmente o parque dando  pequeno passeio no interior, felicitou o presidente da Câmara Dr. Álvaro Vasconcelos pelo melhoramento , nas suas palavras, muito valorizava a Vila. 

 Estava decidido se denominaria Parque Municipal de Sintra,no entanto  atentado premeditado contra Salazar, levou Sintrenses mais acérrimos defensores do Estado Novo, iniciativa do Dr. Augusto Mantero,alvitrar que o parque fosse PARQUE SALAZAR.  foi até  1º de Maio 1974, nesse dia multidão de cidadãos, deliberou, deveria ser PARQUE DA LIBERDADE; asim está, até hoje.

Cumpri  dever de serviço publico deste blogue ; quase ninguém sabia  coincidência da inauguração e do atentado. 

P4183128.JPG

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D