Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

SINAL DE TEMPO MODERNO ?

Vento do progresso, sinais dos tempos, outra era, que quiserem chamar,verdade no município Sintrense, principalmente no meu bairro da Rinchoa  acontecimentos próprios da época de grandes mudanças, surgem ao dobrar da esquina.

A meio desta semana,perturbada pelas noticias,alarmantes da epidemia de gripe, igual a outras anteriores, agora baptizada com designação esdrúxula, com objectivo de infernizar ainda mais a vida dos Portugueses, deveras amargurados pela próxima entrega da declaração de impostos; dizia, quando sem pressa  aproveitando sol tímido da manhã, aproximava-me da secular sobreira da Calçada da Rinchoa. que procuro visitar amiúde, deparei pintado na parede de  vivenda em obras de restauro esta " legenda " :

P1307864.JPG

Na língua universal da globalização em curso, ai está sem margem para dúvida indicação inequívoca, onde " consertar "  motor da carripana.

 Quem sabe não vão despontar por aí, estabelecimentos semelhantes, exemplo dos abundantes alojamentos com outras designações ? No comments

 

 

SINTRENSE POR ADOPÇÃO CAPA DE REVISTA

No inicio da  " primavera marcelista  " assim designada porque o sucessor de Oliveira Salazar, na presidência do conselho de ministros, Marcelo Caetano, num gesto de tímida abertura do regime ditatorial do Estado Novo, ia permitindo aqui e ali alguns gestos  justificativos daquela.

Em Fevereiro de 1968, a conceituada Vida Mundial, revista semanal de grande tiragem, lida por sectores progressistas da sociedade de então, dedicou  capa a Ferreira de Castro, um dos mais prestigiados escritores portugueses,  nunca renegou  ideais da democracia e da liberdade.

Ferreira de Castro amou Sintra, como poucos, havia legado um ano antes  seu espólio ao Município de Sintra, de que resultaria o importante museu com seu nome existente na Vila. quando faleceu em 1974 pouco depois do 25 de Abril, seria sepultado como  desejou na Serra de Sintra,

No testamento escreveu  se não fosse possível ser enterrado na Serra, deveria sê-lo no cemitério de Rio de Mouro, local considerava ser o mais adequado para continuar  contemplar a maravilhosa montanha que o fascinava.

Para recordar ocorreu-me dedicar este texto, porque seu admirador e leitor assíduo.

acastro.jpg

 

CURIOSIDADES: ACTIVIDADE DA ASSOCIAÇÃO DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE AGUALVA- CACÉM - 1950

Na anarquia "produtiva" do meu arquivo  encontrei,  inserida no Jornal de Sintra  nº891 datado de 18 Fevereiro 1951 curioso apontamento:

bomcacem.jpg

Nesta data a localidade do Cacém, fazia parte da freguesia de Rio de Mouro e a de  Agualva, da freguesia de Belas.

A freguesia de Agualva-Cacém seria instituída pelo decreto - Lei nº 39210 de 15 Maio 1953. A análise da estatística é interessante porque permite aquilatar as mudanças verificadas na actividade da prestimosa instituição, ao longo de setenta anos,

 

PONTE DA VÁRZEA DE COLARES INAUGURADA EM 1969

Nem sei quantas vezes já transpus a pé e de automóvel a ponte da várzea de Colares na estrada de acesso a praias do litoral Sintrense,  principalmente, a das Maçãs , ou a " Praia " designação durante décadas se usava.

Para os Sintrenses, antigamente, ir a praia era  tão só a  das Maçãs.

Confesso ter ideia obra rodoviária actual seria mais vetusta, que realmente é. Afinal tal qual  conhecemos, a ponte abriu ao tráfego no dia 6 de Julho 1969,  sábado; assim sendo cumpriu-se meio século, daquela efeméride no passado 2019 . na ocasião noticia de primeira página no Jornal de Sintra:

varzea.jpg

Oxalá continue  durante muito tempo  cumprir função de permitir acesso rápido e seguro a " Praia ".

P1177859.JPG

 

FORTE DESAPARECIDO NOS CONFINS DA COSTA OCIDENTAL

Na falésia grandiosa da costa litoral sintrense, no tramo entre  Cabo da Roca e a estrema com vizinho concelho de Cascais, ficava um forte militar integrado no sistema defensivo da barra do Rio Tejo.

Dissemos ficava porque no sitio da Direcção Geral do Património lemos : " Na actualidade  apenas se conservam alguns troços e parte da abóbada, e do paiol elementos por demais escassos de uma tão importante fortificação da nossa costa a ocidente de Lisboa ".

O que resta da antiga construção foi declarado imóvel de interesse publico, por decreto-lei nº 28/82 D.R. 1ª serie nº47 Este documento altera anterior designação de " Fonte da Roca " como erradamente se chamava, para " Forte da Roca ", fixando definitivamente o nome actual.

A edificação inicial é do seculo dezassete. Numa ocasião calcorreei caminho com intenção de visitar o sitio, segui  vereda a partir da aldeia da Azóia ; ia só estava muito vento  retrocedi; talvez  ainda lá irei um dia ; quem Sabe ?

Num antigo mapa deparei com indicação do forte.

espiço.jpg

Planta original do forte guardada no Arquivo Nacional da Torre do Tombo

PT-TT-CCDV-28_m0089.jpg

 

 

TOPONÍMIA SINTRENSE - PAIÕES

Por diversas ocasiões tive oportunidade de falar acerca do significado do topónimo, que hoje escolhi, e designa localidade da freguesia de Rio de Mouro, concelho de Sintra: Paiões. O topónimo deriva de  "pão" nome popularmente  atribuía ao trigo, sendo terra fértil para a cultura daquele cereal, onde se cultivavam extensas propriedades, a aldeia  ficou conhecida por: "terras de muito e bom pão" - Paiões.

Se dúvida restasse, no cimo da povoação, encontramos um amplo terreiro onde seria local da debulha, e secagem do pão. Apesar de actualmente servir de sitio de pastagem de equídeos.

O caminho de acesso aquele local, é apropriadamente designado de:

P1087837.JPG

Quando a investigação é cuidada, quase sempre os resultados são certos. Aqui não há dúvida.

FACTOS INÉDITOS DA HISTÓRIA DE SINTRA - PASSADOS EM RIO DE MOURO

Ocasionalmente encontrei documentação referente a actividade da Igreja Lusitama, ramo dissidente da Igreja Católica Romana, desenvolveu profícua actividade em Rio de Mouro no final do século XIX. No relatório de actividade daquela instituição publicado, curiosamente,  4 de Fevereiro de 1895, podemos ler :

igreja 1.jpg

Para não ser fastidioso resumo o documento, deixando a matéria relevante para compreender  influência  da instituição na vida social e política da localidade:

igreja 2.jpg

A filarmónica da Sociedade União Primeiro de Dezembro, numa atitude de inequívoco afrontamento, com  pároco, Católico Romano, abrilhantou  festa dos "dissidentes ".

 Reparemos no facto das crianças terem recebido um lenço e uma camisa, vestuário produzido pela fábrica de Estamparia e Tinturaria de Rio de Mouro,  propriedade de Filipe José da Luz, importante e rico membro da elite local.

Afinal vitória de 1909  do Partido Republicano nas eleições de paróquia em Rio de Mouro, além da influência política do republicanismo, ficou  dever-se, também. a conflito de índole religiosa, facto até agora desconhecido.

 

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA FLORIDA

Progresso implica algumas vezes não só modificações de índole tecnológicas,igualmente alterações no meio ambiente , certas ocasiões em sentido menos humanizado e acolhedor.

As obras na linha ferroviária de Sintra,  que se arrastaram ao longo de três décadas, permitiram construir via, estações mais funcionais, também "modernistas " como se pode constatar com gare ferroviária de Rio de Mouro / Rinchoa.

P3235219.JPG

Vista de fora a estação impressiona pelo aspecto vanguardista arejado , infelizmente , no interior  espaço reservado aos passageiros, está longe de ser  que foi, antes da modernização, segundo Jornal de Sintra seria :

estac.jpg

Muito diferente da actualidade, ninguém defende qualquer entrave ao progresso e mudança, todavia tudo o poderia ser preservado deveria ter sido. Lanço apelo a quem deve e pode fazer , tudo se conjugue no sentido da gare ferroviária de Rio de Mouro / Rinchoa, no município de Sintra , volte a ser "estação florida ". Oxalá !

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D