Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

SOBREIRO DE TRONCO BOJUDO

Quando era possível circular sem restrições, por todo lado sem receio algum zeloso cívico, mandasse parar, ordenado retorno a casa;durante passeio para conhecer recônditos sítios da Área Metropolitana de Lisboa,decidi visitar, antiga Vila de Canha no concelho do Montijo, onde nunca havia estado.

Conhecia por leituras, aqui crescem árvores de porte majestoso, de provecta idade,alimentadas por húmus de terrenos férteis.

Depois de visitar na localidade, a igreja matriz,e petiscarmos, umas deliciosas migas,voltamos a estrada, rumo a Vendas Novas.

A cerca seis quilómetros, em propriedade privada, devidamente protegido, encontramos, sobreiro porte magnifico, cujo tronco com diâmetro de 6,5 metros é segundo dados oficiais,o  de maior dimensão medido em Portugal

400000anos.jpg

Tivemos sorte,alguém estava por perto,e gentilmente, abriu a cancela permitindo, aproximarmo-nos da imponente árvore. Maravilhoso sobreiro,crescendo em  local ermo,sem ruídos parasitas,propicio contemplação devida a tão extraordinário monumento vivo;tendo idade cientificamente testada de 250 anos

Só por si visitar este sobreiro , vale a pena sair dos itinerários principais....

400anos121.jpg

 

MONUMENTO EVOCATIVO - MARQUÊS DE POMBAL - LISBOA

Abril de 1914, foram conhecidos resultados do concurso aberto para apresentação de projectos destinados ao monumento a Marques de Pombal, a erigir em Lisboa.

O primeiro prémio seria atribuído a proposta apresentada ,em "maquete",pelos arquitectos Adães Bermudes, António Couto,e escultor, Francisco dos Santos.

autorers.JPG

Em primeiro plano,está retrato de Francisco dos Santos, um dos maiores escultores portugueses de todos os tempos, natural da localidade de Paiões , freguesia de Rio de Mouro, Sintra.

Ao centro figura,  arquitecto Adães Bermudes,  ultimo será, o também arquitecto, António Couto.

Acerca destes, protagonistas, do citado concurso, existe pormenor, interessante. Adães Bermudes, já possuia  quinta, situada em Paiões, onde viria a falecer. António Couto,  nasceu em Barcarena,  tendo  ficado órfão sendo criança, devido a falta de recursos de sua mãe, foi educado, na Casa Pia de Lisboa, onde seria condiscípulo de Francisco dos Santos.

Barcarena,actualmente freguesia do concelho de Oeiras, ficava próximo a Rio de Mouro, bem perto, porque, limites da autarquia, naquela época, terminavam na Ribeira de Barcarena,

Podemos afirmar , com certeza, ideia para concretizar projecto deste grandioso e belo monumento, glorificando, personagem controversa da História de Portugal, seria ,tambem, debatida em Paiões.

  Monumento a Marques de Pombal em Lisboa, resultou do talento engenho e arte de artistas, nascidos na região saloia. Adães Bermudes, veio ao mundo na cidade do Porto, e repousa no Cemiterio paroquial da nossa freguesia. Havia elo que os unia foram  membros da maçonaria.

A maquete apresentada, vencedora do concurso :

amaquete.JPG

 

 

ULTIMO VESTIGIO RELEVANTE

Antiga importância industrial do núcleo urbano do vulgarmente referido como Rio de Mouro Velho, no concelho de Sintra, pouco resta. Ruinas de lagares de azeite, e vinho, reminiscências da importância agrícola, da região em tempo não muito distante; onde chegou existir sindicato da lavoura.

xxx.JPG

 

Sobressaindo na paisagem, altaneira chaminé da fabrica de tinturaria e estamparia, laborou desde 1771, até anos vinte do século passado.

As casas do bairro operário, ladeando antiga estrada de Lisboa-Sintra, completam  lembranças do tempo, onde maioria da população residente na  localidade ganhava parco pão, trabalhando arduamente, na fabrica, auferindo, como afirmou o dono do estabelecimento fabril, " salários baixíssimos ".

Memória, vestígio relevante, da história da nossa terra, merece; não sendo possível, adquirir o local onde se encontra, seja pelo menos, feito levantamento fotográfico,e inventariadas as características construtivas, como legado as gerações vindouras

chaminé etampar.JPG

 

 

 

LENDÁRIO RESTAURANTE NO RECOVEIRO

Na década 1970, ganhou justa fama, na localidade do Recoveiro,  cruzamento da estrada nacional EN 249, com  estrada do Telhal, Municipio de Sintra, restaurante denominado   ABEGÃO.

Amplas instalações com adega anexa, provida de bojudas pipas guardando deliciosa pinga, o ABEGÃO, distinguia-se por servir fabuloso cozido a portuguesa, acima de tudo, carne de porco a moda da feira das Mercês,  em doses generosas , na tradicional  "caçoila" de barro. A carne sempre fresca, de primeira qualidade,proporcionavam manjar único.

A Quarta-Feira almoço de cozido levava multidões, vindas de Lisboa e arredores para degustar a iguaria prato servida com as carnes separadas dos vegetais, em porções  pantagruélicas,

Com a minha família fomos cliente assíduos, durante anos, normalmente ao jantar.A nossa assiduidade permitiu privar com os donos pessoas simpáticas,   proprietária, cozinheira de mão cheia,

As sobremesas eram igualmente bem confeccionadas ; a nossa filha mais velha,  "perdia-se" com a mousse de chocolate, jamais encontrada igual noutro sitio,

Vicissitudes dramáticas, levaram  ABEGÃO, a ruína. Outra gente tentou reabrir o espaço,  não tiveram êxito, era de esperar, o restaurante do Recoveiro foi único, inimitável, Deixou muita saudade. faz parte do nosso " álbum " de boas recordações...

Eis o que resta do famoso poiso gastronómico.

abigas.JPG

abigasfds.JPG

 

 

 

UM SINGELO SINO DE " ALDEIA "

No livro de leituras da primeira classe do ensino primário, do período do Estado Novo durante décadas 1950 e 1960 ,na pagina 88 havia lição intitulada, "O DIA DO SENHOR" no texto faziam elegia do valor simbólico do sino, e sua relação com  pratica religiosa, referindo:  "Obedientes a voz do sino, homens ,mulheres e crianças, acodem ao templo, para assistirem a missa "

Algumas vezes veio a memória este texto, quando visito  capela, de São Marcos, situada no coração da antiga aldeia, durante séculos, pertenceu, a Freguesia de Nossa Senhora de Belém de Rio de Mouro, antes de passar a de Agualva-Cacém, no inicio dos anos 50 do século passado.

A capela tem singelo campanário, de rústica beleza,felizmente ainda é possível, aqui, manter o sino colocado no seu poiso, contrariamente a muitas aldeias, despovoadas do interior do País, onde com receio dos roubos os sinos foram retirados dos campanários.

No Portugal cavernícola do Salazarismo, tudo andava a toque de sino, fosse a rebate, para assinalar perigo,as trindades, e missa para rezar, a dobrar a finados anunciando a morte de alguém,ou repicar demonstrando contentamento quando se tratava de casamentos ou baptizados.

Gosto de vez enquanto visitar aldeia de São Marcos,admirando o sino da capela, relembrar a posição do badalo ,evoca tudo que está suspenso, entre a terra e o céu, e por isso  som da campânula estabelece comunicação entre os dois.

A semelhança de Fernando Pessoa, que considerava o sino da igreja dos Mártires no Chiado, em Lisboa,  sino da sua aldeia; por mim adoptei com a mesma intenção  simbólica o sino da velha urbe de São Marcos, no concelho de Sintra.

smatcossino.jpg

 

ARVORE NOTÁVEL EM MEIO URBANO

Os incêndios florestais dos últimos anos, principalmente no centro e norte do País, tem dizimado, extensos povoamentos de espécies silvícolas,com predominância do pinheiro bravo,

Curiosamente, no sitio mais elevado da Rinchoa, 220 metros de altitude, freguesia de Rio de Mouro, concelho de Sintra, junto reservatórios de agua, é possível, admirar notável exemplar, cujo tronco mede cerca de 2,4 metros diâmetro, a altura do peito.

atronc.JPG

Crescendo,no meio de zona densamente povoada, é caso raro, talvez único, em Portugal. Mais uma singularidade do nosso bairro. O fuste terá de envergadura cerca de 25 metros, Com estas características deverá ter idade aproximada 75 anos, longevidade significativa para pinheiro bravo.

pinh2.JPG

Reminiscência de antigo pinhal, cobria, encosta e terrenos adjacente, é uma árvore silvestre, nascida espontaneamente, dádiva maravilhosa e pródigo da mãe natureza; merece ser conhecida e preservada. Lembrando cantilena popular termino:   "ALTO PINHEIRO DA RINCHOA,DE VERÃO QUASE SECAS;NO INVERNO TREMES DE FRIO"

 

 

ANTIGA FABRICA DE ESTAMPARIA DE RIO DE MOURO 1771- 2021

Antiga fabrica de estamparia e tinturaria, existiu em Rio de Mouro, Concelho de Sintra, foi oficialmente, fundada em 1771. Acerca deste estabelecimento fabril, primeiro laborar no Município; publiquei separata do artigo de minha autoria, inserto na revista Sintria, cujo conteúdo tem sido aproveitado por gente sem princípios,  utilizam o que escrevemos sem citarem  fonte, enfim.

ajuca.JPG

No inquérito de 1881, o proprietário Filipe José da Luz, respondeu,afirmando fábrica , havia sido fundada no principio do século XIX,primitivo dono, José da Silva,tendo acompanhado a família real quando fugiu para o Brasil,causa das invasões francesas, vendeu a fábrica ao  seu avô.

Sabemos agora oficialmente a fábrica nasceu em 1771.

afre1.JPG

Comemoram-se este ano 250 anos, resolvi assinalar  efeméride,prometendo voltar ao assunto, com mais informação acerca deste importante património, da história da nossa terra. A fabrica produzia lenços estampados de tão elevada qualidade,eram comercializados sendo de Alcobaça, e afinal produzidos aqui.

afr55.JPG

 

A fábrica estava situada de fronte do adro da Igreja de Nossa Senhora de Belém , em Rio de Mouro,( velho ), apresentando aspecto exterior como mostra a imagem até ser demolida, infelizmente, na década de 1980. Foi depois metalúrgica de alumínios, e hoje estúdio de gravações áudio visuais.

afabr55.JPG

Uma data importante que não devia passar sem justificada referencia.

 

AVENIDA DAS ARVORES DE JUDAS

Leal da Camara, como já escrevi e demonstrei seria membro da carbonária, a exemplo do seu grande amigo, Aquilino Ribeiro.

A urbanização idealizada para a Rinchoa, foi  concretização de "fantasia" baseada nos ideais da carbonária. Mestre Leal da Camara deixou "encriptada" a intenção, convencido se alguém afecto a ditadura Estado Novista, pudesse imaginar tal coisa, teria problemas.

O ideário carbonário, postula sendo denominada  "maçonaria florestal", os seus membros deveriam conhecer pelo menos três espécies de árvores e respectiva madeira , a saber :

Acácia espinhosa de cujos ramos havia sido feita coroa de espinhos, colocada sobre a cabeça de Jesus, quando expirou na Cruz. O ulmeiro de cuja madeira teria sido feito o ataúde de Jesus Cristo, finalmente, a figueira onde Judas o traidor segundo as escrituras, arrependido se enforcou.

Para não dar " pistas " Leal da Camara atribuiu  nome  avenida das Acácias, avenida dos Ulmeiros; depois por via das dúvidas passou a Choupos. 

Finalmente, não deixou que Figueira, fosse nome de qualquer artéria da urbe, para continuar a preservar segredo,

No entanto, denominou Avenida das Olaias, a rua defronte da sua casa.  Olaia, igualmente, conhecida por árvore de Judas; assim, figueira de modo " fantasiado ", de acordo com a sua propensão  fantasista, está contemplada.

Também, este nome, sempre presente a porta de sua casa, não deixava esquecer facto um  perigo dos "amigos ", é a traição.

E assim demonstro, até numa simples urbanização nem tudo é tão simples como aparenta.

JUDAS.JPG

 

LOCAL FAMOSO DA GASTRONOMIA - RESTAURANTE ARRE MACHO

No final década 1970,  em Rio de Mouro, entre outros  de nomeada,existiu, sediado no antigo, casco urbano da freguesia, localidade hoje conhecida por Rio de Mouro (velho), restaurante conhecido em toda a região de Lisboa, frequentado por gente jovem, trabalhadora com algum poder de compra.

Ao fim de semana, normalmente, ao jantar, havia sessão de fados. Comia-se bem naquela casa,  vinho muito bom,proveniente da  zona de Alcoentre - Aveiras,   "pomada"  de estalo. A cozinha aprimorada, doses de comida generosas servidas, ambiente com toque rústico, descontraído,  ocasionavam algumas vezes ," casa cheia ", necessitando  marcação de mesa.

Encontrei, nas arrumações para entreter, cofinamento, factura de jantar,dia 13 Abril de 1974 doze dias antes da Revolução de Abril.

Refeição partilhada com minha mulher, nesta data morávamos na Rinchoa a menos de um ano, no entanto conhecia  local havia mais tempo.

ahhha.JPG

Nessa altura conduzia o meu primeiro carro, Datsun 1000, verde escuro, quatro portas radio, comprado em "primeira mão", com "fundos próprios" ,permitia mobilidade, sem depender de transportes públicos.

Estabelecimento, ficava na Rua Cupertino Ribeiro margem, esquerda, da ribeira de Rio de Mouro, junto da ponte na antiga estrada Lisboa - Sintra,  quase no inicio da  subida do Alto Forte.Chamava-se "Arre-Macho".Mudou,mais tarde, nome para Almocreve,encerrando definitivamente, no começo do presente século .

Do lugar, ficou saudade, das refeições a base de grelhados, do  ambiente;a fama do sitio,alcançava  quatro cantos da Grande Lisboa, contribuindo para guindar Rio de Mouro a estatuto de local onde seria possível degustar gastronomia de qualidade.

Aspecto do extinto. no entanto nunca esquecido ; " ARRE- MACHO ".

aiou1.JPG

aiou3.JPG

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D