Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

TOPONIMIA SINTRENSE - CORTINHAIS

Realçar importância para  investigação histórica, conhecimento do significado dos topónimos, será sempre adequado. Vou referir exemplo interessante, que encontrei casualmente,na localidade  de Albarraque.

Na proximidade das artérias denominadas, Sidónio Pais, e Álvaro Vilela, deparamos, Rua dos Cortinhais. Conheço idêntica designação de vias publicas em Tábua e, Pampilhosa da Serra, no território do concelho de Sintra,além da referida julgo não existir outra. 

Cortinhais deriva de palavra latina, significando hortinha, pátio de quinta, tapada, horto ... Este toponómino aparece sempre associado a uma grande exploração agrícola.

Seria terreno emprestado pelos senhores da terra aos servos; para assim disporem de pequenas courelas destinadas a cultivo próprio e a criação  de animais, local onde podiam ter redil capoeiras , pocilga, curral.

Nas cercanias da Rua dos Cortinhais  em Albarraque , ainda existem quintas,  devem ter origem na divisão de uma antiga  "quinta grande". 

Apresentei num encontro de história local de Sintra, testemunho da utilização de escravos negros,no amanho das terras na região de Rio de Mouro, na primeira metade do século XVIII.

Perto da Rua dos Cortinhais , existe uma Rua das Mulatas.Sem duvida nesta como nas outras localidades referidas; cortinhais surgiu de modo similar tendo mesmo significado. E pronto...

  

RIBEIRAS E MOSQUITOS

Na área metropolitana de Lisboa (AML),existe numero razoável de ribeiras correndo em espaços urbanos densamente povoados, praticamente secam durante período da estiagem.

Reportando território do municipio de Sintra, situação merece ainda maior atenção. Esta zona até década 1930,foi considerada  de paludismo endémico.

 Orfanato escola Santa Isabel em Albarraque, freguesia de Rio de Mouro,quando da construção destinaram local de isolamento  doentes portadores sezões palustres;  consideradavam ao tempo, picada dos mosquitos em infectados seria meio de transmissor da doença para pessoas saudáveis.

Surgiu agora, na imprensa, que devemos precaver possibilidade do dengue passar  de maleita importada para doença, originada no nosso território.

Conhecido facto , Portugal ser zona onde o paludismo chegou ser uma praga, alertamos para necessidade  encetar campanha de prevenção contra  proliferação de mosquitos nas ribeiras e charcos são verdadeiros "viveiros" de insectos.

Deveriam monitorizar caudal daquelas para impedir formação de pegos ou charcos quando escasseia água.Nestes casos promover limpeza das ribeiras e drenagem dos pegos.

Alertar população para cuidados, com rega de plantas ornamentais ao ar livre ou em interiores , não deixando acumular agua nos pratos de suporte dos vasos porque  é propicio a ecolsão de mosquitos.

Também chamar atenção, para receptáculo de latas de conservas, fundos de garrafas de vidro, e outros similares, abandonados nos espaços públicos , para não deixar reter agua das chuvas; isso aumenta condições proliferação da mosquitada.

Estamos perante problema de saúde publica exigindo atenção e colaboração de todos. Depois não digam que não avisei...  

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D