Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tudo de novo a Ocidente

UM PINHAL "URBANO"

É habitual para tornar os aglomerados urbanos mais aprazíveis plantar árvores e ajardinar com relva e flores os espaços exteriores para fruição dos moradores. As urbanizações que foram surgindo na periferia das grandes cidades, como Lisboa nos anos 60 do século XX, careciam de todo o tipo de equipamento, incluindo algumas árvores nos passeios.

Os primeiros habitantes oriundos dos meios rurais, aqueles que nas palavras de Pio XII: "Deixando as regiões onde dominava uma vida austera afluíam constantemente á cidade homens cheios de saúde e ardor ricos de experiência gerações laboriosas, daquelas de que a Nação necessita para as tarefas difíceis e para o exemplo do seu povo."

Muitas das apreciações  de teor depreciativo que se fazem sobre a "qualidade" das construções edificadas naquela época, não podem esquecer que muitos dos que as vieram ocupar provinham de zonas de Portugal onde não existiam, abastecimento de água domiciliário, electricidade. Em 1950 somente 10% das habitações das áreas rurais dispunham de casa de banho. Para esta gente foi uma mudança radical a vinda para a cidade.

O concelho de Sintra de 1960 a 1970, passou de 80.000 para 127.000 habitantes. Esta referência ilustra a força da corrente migratória, e como era difícil aos moradores preocuparem-se com outras coisas para além da casa e do trabalho.

Paulatinamente a mudança está em curso, as pessoas na maioria dos casos melhoram o seu nível de vida e têm outro grau de exigência e esperam que os que governam nas autarquias e no governo promovam medidas que melhorem o espaço público factor indispensável ao convívio e lazer.

Felizmente na voragem das modificações verificadas restam vestígios do que seria o coberto vegetal dos sítios antes da fase dos loteamentos. Exemplo disso é um denso conjunto de pinheiros mansos, ainda hoje existente na beira da Avenida que dá acesso á estação de Meleças. Formando um local agradável serve de poiso a uma numerosa colónia de rolas as quais os pinhões dão  alimento. Nos termos do PDM estes pinheiros estão protegidos

e ainda bem: são um factor de embelezamento duma zona densamente povoada. Têm mais de 50 anos, nasceram espontaneamente sendo, ainda mais dignos da nossa admiração pois formam um verdadeiro pinhal "urbano".  

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D