Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo de novo a Ocidente

SINTRA TERRA DE MÁRMORE E DE ESCULTORES

A Ocidente o terriório de Portugal entre outras riquezas, é formado por massas rochosas, das quais sobressai o mármore. Esta rocha ornamental, abundava na zona de Montelavar, onde durante séculos, foram extraídas e trabalhadas muitas toneladas que decoram edifícios como: o Convento de Mafra, as casas do Parlamento Nacional, a Câmara Municipal de Lisboa, pois "os mármores das pedreiras de Montelavar no concelho de (S)Cintra, eram lindíssimos".

Uma actividade,base de importante fonte de rendimento, e origem duma toponímia peculiar. Assim, Montelavar quer dizer local onde existe uma LAVARIA ou LAVRA, para extracção de um mineral ou inerte, neste caso pedra. No concelho de Oeiras ocorre um topónimo "LAVEIRAS", perto de Caxias ,onde existiu uma grande pedreira. É interessante notar junto dos dois sítios o topónimo MURGANHAL,que segundo alguns ,significaria local de murganhos ou ratos do campo, deste modo, murganhal seria sinónimo de "rataria".

Além de ser possível acabar com os roedores, e desse modo,também com o nome, o nosso estudo conduziu a uma interpretação do topónimo mais plausível. Murganho é a designação que se dava aos restos inaproveitados da debulha nas eiras, quer dizer que tudo o que sobra é murganho, e como é sabido no trabalho de aproveitamento da pedra, ficam muitos pedaços que não servem para nada,por isso colocados como entulho nas imediações das instalações onde é trabalhada. MURGANHAL, quer dizer local onde se depositam os restos, e não esquecer que em castelhano "um rato" é um pedaço. Montelavar e Laveiras, sendo terras de pedreiras, deviam  ter o seu Murganhal, como de facto têm.Sobre este significado já aqui escrevemos,este apontamento é uma achega mais.

Quem diria que o mármore sintrense, nos levasse aqui. Nada melhor para ilustrar este texto, que recordarmos o ilustre e genial escultor Francisco dos Santos sintrense que trabalhava o marmore com mestria, o seu cinzel transformava um tosco calhau em objecto de encantadora beleza.

Se permitem por hoje já partimos muita rocha, e na ausência de murganhal, onde colocar o murganho da nossa cantaria, temos de ficar por aqui. 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D