Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo de novo a Ocidente

A FONTE DO PINHAL DO ESCOTO-RENASCER DAS CINZAS É POSSÍVEL

A quadra de Augusto Gil, que faz parte do seu poema "canção da mãe" :          

Iremos por esses montes

Altos e azuis como os céus...

que onde há "árvores" e onde há fontes

Está a mesa de Deus

Sugere-nos,algumas reflexões, a propósito, dum local do concelho de Sintra, que pela sua amenidade e encanto foi destino e pousada de milhares de pessoas desejosas de  disfrutar da sombra do pinhal e da frescura da água que corria duma bica existente bem no coração do pequeno bosque.

Ainda hoje na lembrança de muita e muita gente devem estar guardados, os momentos que tardes de domingueiros "pic-nics", proporcionaram. Não era só gente das proximidades, mas também outra vinda de longe até de Lisboa.

Falamos da fonte e do pinhal do escoto ou scoto, que ficava um pouco abaixo onde hoje está uma estação de serviço, na estrada entre a Rinchoa e o Algueirão .Dizemos ficava porque o pinhal ardeu, a fonte construída nos anos 30 do século XX por iniciativa da população, aproveitando a nascente que sempre existiu, foi abandonada e vandalizada.

O incêndio pode ter sido fortuito, mas a degradação da fonte deve-se à incúria e desleixo de quem deveria cuidar daquilo que faz parte da tradição e  vivência do povo, formando a "alma" dos lugares.

Já sabemos que a desculpa é a costumeira, "está em propriedade privada" etc. No entanto durante décadas a Fonte do Escoto de água fresca e cristalina saciou a sede de muitos cidadãos e permitiu o seu  convívio. Está transformada numa ruína, a água que brota, originou um charco insalubre e fétido .Uma informação dos SMAS de Sintra avisa "água não controlada". Pouca coisa! Aquela entidade tem  em execução uma importante obra para reforço do abastecimento de água ao Concelho, cujos trabalhos decorrem perto, porque não restaura-la e desse modo, demonstrar que as palavras de Augusto Gil tem razão de ser!? A despesa seria uma ninharia, no conjunto dos milhões de euros que irá custar a nova e necessária conduta. A fonte do pinhal do escoto era um "ícone"recordado com saudade. Ficava bem associar o renascer  da fonte com a obra referida. Mais água para Sintra, e mais cuidado com a protecção do património natural e histórico concelhio. A vila de Sintra teve sempre um termo ou arrabalde no qual a fonte se situa, mais um motivo para se agir. Fica a imagem e o apelo, oxalá nos vejam e ouçam.

 

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D