Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tudo de novo a Ocidente

RENASCER DA NATUREZA

Na área metropolitana de Lisboa, a grande pressão urbanística nos anos 70 a 90 do século XX, provocou impactos ambientais, que pareciam irreversíveis. O Município de Sintra foi um dos que mais sofreu com o tipo de ocupação desenfreada do solo.

Felizmente a partir de finais dos anos 90 graças a aprovação do primeiro PDM (plano de urbanização municipal), e medidas complementares que se tomaram, como melhoria da rede de esgotos, separação efectiva de águas residuais das águas pluviais, limpeza e tratamento das linhas de água, designadamente a regularização dos leitos de cheia a consolidação dos taludes, das ribeiras a situação foi melhorando.

O resultado está à vista, aos poucos a fauna própria dos cursos de água está de volta. Os "patos bravos" como eram conhecidos os construtores civis que sem quaisquer preocupações estéticas ou de protecção da natureza, foram os "obreiros" do urbanismo que ainda temos. Agora estão a ser substituídos pelos verdadeiros patos selvagens que frequentam as águas das nossas ribeiras  de novo próprias para os seus mergulhos e "passeios". A foto  obtida em 5 do corrente, em pleno meio urbano, um pouco abaixo do local onde a água que vem da vertente da Fonte de Nossa Senhora das Mercês, que brota junto da capela do mesmo nome,entra no antigamente designado rio das enguias, aqui existiu uma represa que deu nome á quinta "da prêsa", a imagem mostra um razoável numero de palmípedes que nadavam nas águas com que as últimas chuvadas fizeram encher a ribeira, toda esta "ninhada",visivelmente satisfeita, é observável a partir da entrada do Centro de Saude de Rio de Mouro.

A capacidade de renovação da natureza é imensa, por muito mal que os néscios façam, a situação pode reverter-se. Oxalá suceda o mesmo com a situação social e politica para onde nos conduzem...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D