Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

O CARRO DE BOIS E CAMINHOS DE CARRETAGEM NA REGIÃO SALOIA

O carro de bois,constituiu o meio de transporte,mais utilizado em Portugal ao longo de vários séculos.Os seus pormenores construtivos,adaptavam-se ás diversas regiões onde a utilidade da sua contribuição era necessária ao transporte de produtos agricolas e mercadorias.Deste modo pela geografia do territóro português circulavam carros de vários tipos que foram estudados,de forma exaustiva e competente por Virgilio Correia(1922), e Fernando Galhano.Este último,escreveu "O Carro de Bois Em Portugal"publicado em 1973,com uma extensa análise ao "carro saloio"afirmando ser este tipo o mais usado no distrito de Lisboa,onde se integra o concelho de Sintra; na sua execução usava-se a madeira das árvores abundantes na região,no caso do território sintrense, de freixo e carvalho.Segundo o autor o carro de bois saloio "caracterizava-se pela forma rectangular do leito, e pela grande altura a que ele se situa e pela própria roda"para aumentar a capacidade de transporte,designadamente de trigo e feno o carro tinha um acessório,a chalma, colocada sobre o leito.Nos séculos XIX e XX existiriam na área citada milhares de juntas de bois, além do carrego eram utilizados, na lavra das terras puxando o arado.O concelho de Sintra estava dotado duma densa rede de caminhos e estradas para transito dos carros de bois.Nos locais onde se transpunham as linhas de água existiam pontes,normalmente,constituídas por lages de pedra calcária assentes em suporte de face afilada para resistir as correntes mais violentas.Deste tipo é uma ponte,situada na Ribeira da Jarda,junto de Meleças, freguesia de Rio de Mouro,termo de Sintra. Falta uma das pedras,não sabemos se foi destruída pelo tempo ou furtada para outro uso.Mesmo com esta "mazela"é um curioso exemplar de arquitectura rústica.

O carro de bois saloio segundo Galhano era formado pelo "cabeçalho"onde se atrelavam os animais que puxavam o carro,as "cadeias"barrotes que suportavam o leito e o ligavam ao cabeçalho,pelas "mesas" nas quais, juntamente com os "cócões" e as "amarradeiras" funcionava o eixo,para ligar o leito as "mesas",possuiam uma peça as "estroncas".As  rodas tinham particularidades que por ora deixamos.Resta referir que  na extremidade dianteira do carro se aplicava a "canga"...  

 

FRUTOS DO OCIDENTE-NO DIA DA ÁRVORE

A parte ocidental do municipio olisiponense, na época do dominio romano, tinha fama como produtor de citrinos com relevancia para os limões. Esta particularidade foi mantida ao longo dos séculos, e chegou ao nosso tempo, a aptidão para produzir este fruto no território sintrense.

Vem a propósito lembrar que segundo fontes históricas credíveis D. João V, rei de Portugal que mandou construir o convento de Mafra, quando estava no Palácio Real anexo ao Convento, habitava a ala oriental do mesmo, a rainha a ala contrária. Quando sua Majestade desejava exercer os  deveres conjugais enviava por intermédio dum lacaio, uma salva de prata com limões, que era a declaração dos seus reais desejos. Aceite pela rainha o pedido, seguia o rei com séquito e luminárias, pelo longo corredor que ligava os aposentos. Esta "procissão" era visível do exterior através das janelas, ficando o povo a saber que nessa noite suas Magestades teriam sexo.

Nos tempos que vão correndo as "alimárias" que dirigem a Europa, tiveram a supina ideia de aplicar num País da "desunião": Chipre, uma receita para colmatar o desiquilibrio das finanças públicas, que não lembra ao demo: roubar as economias de cidadãos e empresas depositadas nos bancos. Claro que os cipriotas recusaram, aquela ilha Cyprus, cujo nome deriva de citrinos, é grande produtora de limões, os seus habitantes deviam seguir o exemplo de D. João V e enviar aos senhores de Bruxelas uma encomenda de limões manifestando o desejo de em vez do Euro restaurarem o Ecu ou melhor tomar de novo no dito, como diria, um ex-governante "gasparino". Quanto a nós temos, de fugir do Euro como o diabo da Cruz, porque já Mestre Leal da Câmara dizia acerca dos que prometiam, e depois não cumpriam:" estes tipos são uns limonadas"...

 

O QUARTEL DA VILA DE BELAS

O aboletamento,era uma acção que obrigava a alojar em casas particulares os militares, nas povoações onde não existissem instalações para o efeito, porque Belas fica situada num importante entroncamento de estradas, por onde transitavam amiúde contingentes de soldados, era frequente pernoitarem na Vila pelo que os habitantes eram chamados ao dever de os aboletar, o que causava incómodos de toda a espécie.

Quando foi extinto o concelho de Belas em 1855, a Câmara municipal de Sintra, para desonerar os habitantes daquele encargo, deliberou mandar disponibilizar instalações para o efeito. No entanto por falta de manutenção, em 1880 fazia-se eco;

"a casa que serve de quartel para a tropa que transita por Bellas, se acha em péssimo estado, e que estão também inteiramente arruinados os utensílios e as enxergas que por conta da câmara de Cintra ali foram colocados". As câmaras municipais não tinham obrigação de preparar aquartelamentos para as tropas em transito. Por isso: "Como o quartel que a câmara de Cintra estabeleceu em Bellas não tem as condições necessárias para o aquartelamento da tropa há de esta ser aboletada". Uma medida correcta que talvez por falta de meios acabou ingloriamente. Os recursos financeiros dos municípios foram sempre parcos. O municipalismo português teve sempre muitas competências,e pouco dinheiro para as exercer.Mais uma prova de que os governos do tempo actual não inovaram muito porque seguem os "tiques" do liberalismo do século XIX.

Não sabemos se a Câmara Municipal tomou alguma medida. O quartel estava situado no largo central de Belas onde hoje está o edifício da Junta de Freguesia. Pelo marco quilométrico da foto verificamos que Belas ficava, sensivelmente a idêntica distancia de Lisboa, Mafra, dizemos nós, também de Sintra.

 

 

 

 

ENCONTRO OCASIONAL COM UM FREIXO SOBERBO

Numa das deambulações em busca do património arbóreo desconhecido de Sintra, deparamos com um freixo, crescendo em plena liberdade quase se não dá por ele, apesar de estar em espaço aberto, fica no entanto, dissimulado entre  árvores mais pequenas .Talvez por isso  o seu enorme tronco não sofreu as incisões dos canivetes, que alguns usam para "perpetuar" devaneios românticos, sem atenderem que cada árvore, como todos os seres  vivos não deve ser maltratada. A raiz mergulha num arroio  próximo, esta particularidade e a terra fértil contribuíram para que fosse possível atingir o fuste grandioso que apresenta. Na tradição germânica o freixo (yggdrasil), "permanece imóvel, de pé, invencível. Nem as chamas,nem os gelos, nem as trevas o abalam." Parece ser o caso. Na opinião de quem sabe calcular a provável idade das árvores,terá cerca de duzentos anos.

Observando os seus ramos notamos que são mais grossos que o tronco de muitas árvores. Aqui, ajusta-se plenamente o que Eça de Queirós, escreveu nas sua obra Prosas Bárbaras "balançando os ramos, (o freixo) parece lançar ao povo curvado das plantas, das ervas e das relvas, a sua bênção soberba". Por isso se justifica o título. 

 

 

ATRACÇÃO TURISTICA NA REGIÃO SALOIA NOS ANOS 30 SEC.XX

Como complemento do que escrevemos sobre a fonte pública da Rinchoa, iremos referir um outro interessante aspecto, relacionado com a mesma:

A água da fonte "não só chegava para a pequena quantidade de moradores" - na época  que estamos a reportar-nos a população do lugar não chegava a 80 habitantes" - as sobras iam encher um grande lavadouro público onde as mulheres, lavam a roupa, dando um ar pitoresco a essa parte da Rinchoa". Pelas informações que obtivemos o lavadouro situava-se numa pequena baixa, entre as actuais ruas da Fonte e do Vale, um pouco adiante da imponente sobreira que originou o nosso post de 6 de Novembro de 2007.

No local hoje ocupado com algumas hortas, para rega das quais se aproveita o que resta das águas da fonte, encontramos num dos morros que ladeia a pequena depressão onde existiu o lavadouro: um decrépito castanheiro e um viçoso carvalho negral, que devem ter proporcionado fresca sombra nos dias de calor, que sempre ocorrem neste rincão do concelho de Sintra.

A faina das lavadeiras, constituía um motivo, pelo qual gente de Lisboa e doutros sítios, se deslocava à Rinchoa, para observar o quadro.Como escreveu, o Mestre Leal da Câmara: "não havia amador fotográfico que não registasse no seu KODAK, o gracioso aspecto desse lavadouro".

A urbanização desenfreada dos anos 70 e 80 do século passado,alterou duma forma irreversível a paisagem, essa já não podemos fazer voltar, no entanto a memória e a alma dos sítios ainda a conseguiremos preservar, tornando conhecido o que na voragem dos anos se perdeu.

 

 

SINTRA TERRA DE MÁRMORE E DE ESCULTORES

A Ocidente o terriório de Portugal entre outras riquezas, é formado por massas rochosas, das quais sobressai o mármore. Esta rocha ornamental, abundava na zona de Montelavar, onde durante séculos, foram extraídas e trabalhadas muitas toneladas que decoram edifícios como: o Convento de Mafra, as casas do Parlamento Nacional, a Câmara Municipal de Lisboa, pois "os mármores das pedreiras de Montelavar no concelho de (S)Cintra, eram lindíssimos".

Uma actividade,base de importante fonte de rendimento, e origem duma toponímia peculiar. Assim, Montelavar quer dizer local onde existe uma LAVARIA ou LAVRA, para extracção de um mineral ou inerte, neste caso pedra. No concelho de Oeiras ocorre um topónimo "LAVEIRAS", perto de Caxias ,onde existiu uma grande pedreira. É interessante notar junto dos dois sítios o topónimo MURGANHAL,que segundo alguns ,significaria local de murganhos ou ratos do campo, deste modo, murganhal seria sinónimo de "rataria".

Além de ser possível acabar com os roedores, e desse modo,também com o nome, o nosso estudo conduziu a uma interpretação do topónimo mais plausível. Murganho é a designação que se dava aos restos inaproveitados da debulha nas eiras, quer dizer que tudo o que sobra é murganho, e como é sabido no trabalho de aproveitamento da pedra, ficam muitos pedaços que não servem para nada,por isso colocados como entulho nas imediações das instalações onde é trabalhada. MURGANHAL, quer dizer local onde se depositam os restos, e não esquecer que em castelhano "um rato" é um pedaço. Montelavar e Laveiras, sendo terras de pedreiras, deviam  ter o seu Murganhal, como de facto têm.Sobre este significado já aqui escrevemos,este apontamento é uma achega mais.

Quem diria que o mármore sintrense, nos levasse aqui. Nada melhor para ilustrar este texto, que recordarmos o ilustre e genial escultor Francisco dos Santos sintrense que trabalhava o marmore com mestria, o seu cinzel transformava um tosco calhau em objecto de encantadora beleza.

Se permitem por hoje já partimos muita rocha, e na ausência de murganhal, onde colocar o murganho da nossa cantaria, temos de ficar por aqui. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D