Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tudo de novo a Ocidente

Moinhos de vento de água e de sangue

No rotineiro costume de comemorar o dia de... tivemos no pretérito fim de semana, e supomos igualmente hoje, chamada de atenção para os moinhos referindo os aspectos económicos culturais e paisagísticos de tais engenhos.

Os moinhos são compostos por duas mós sobrepostas, movidas pelo vento, água electricidade e força do braço humano. O primeiro denomina-se moinho de vento está conotado com as aventuras delirantes de D. Quixote de la mancha, magistral criação de D. Miguel de Cervantes. As eólicas moendas adornam o cimo de cerros e colinas onde o sopro dele é intenso. Existe exemplar deste tipo bem perto no sítio de Mira Sintra.

O moinho de água no norte e centro de Portugal onde o domínio romano foi vincado é tocado por rodízio de madeira provido de palhetas onde bate a água,conduzida por intermédio dum cano normalmente recebendo água duma levada, no sul de Portugal as mós são accionados por uma roda exterior movida pelo peso da água, aqui o moinho toma a designação de azenha. No município de Sintra existe um moinho de água na praia da samarra.

Outro modelo de moinhos de água são chamados de maré, impulsionados pela alternancia da baixa e praia-mar. Encontramos esta forma de engenhos no concelho do Seixal, margem esquerda do rio Tejo defronte a Lisboa, e Lagoa no Algarve sítio das fontes, margem esquerda do rio Arade a montante da cidade de Portimão.

O antigo moinho de "sangue"  utilizava-se no Algarve movido por braço humano daí o nome, ainda se econtra nas aldeias do Atlas magrebino, este moinho estroçoava o milho, para  alimentação permitindo confecionar, papas de milho(carolos) e "xerém".

Os moinhos motivaram lendas e provérbios cuja origem radica em tempos antigos no vocabulário quotidiano as referencias ao acto moer são frequentes: "as dificuldades do dia a dia moem-nos o coração sem descanso", moer significa também: amassar, calcar, pisar, machucar. Que tipo de moinho será este que nos mói de dor e desesperança,neste molestoso ano de 2014?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D