Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tudo de novo a Ocidente

O INDUSTRIAL QUE ADORAVA SINTRA

O território do antigo município sintrense, de ameno clima, frescas sombras no estio e aconchegado tempo invernal,foi procurado ao longo de séculos,para repouso e vilegiatura de gente com posses e gosto pela calma e placidez dos lugares.

Da ribeira da jarda ao oceano atlântico, a nobreza e burguesia lisboeta endinheiradas, seguindo o gosto precursor de bispos e frades, foi edificando insignes quintas, algumas das quais ainda existem.Derrubada a monarquia, na sede do concelho os espaços deixados  "vazios", pela corte , foram adquiridos pela nova classe possidente enriquecida pela tardia revolução industrial "lusa", desejosa de acrescentar a "aristocracia monetária" alguns "pergaminhos"da antiga "aristocracia de sangue" .

Personagem que melhor exemplifica esta tendência é Alfredo da Silva. Industrial, banqueiro armador, grande proprietário, considerado o mais audacioso empreendedor da península ibérica do seu tempo, nasceu em Lisboa a 30 de Junho de 1871, faleceu na sua casa de Sintra a 22 de Agosto de 1942.Alfredo da Silva ficaria órfão de pai aos 14 anos, nascido no seio de família abastada,dotado de raras capacidades de trabalho e inteligência , frequentou e concluiu curso superior de comércio em 1890 sendo o melhor do curso, laureado com o primeiro prémio instituído pela Associação Comercial de Lisboa, destinado ao aluno mais aplicado.

Com pequeno lote de acções deixado pelo progenitor,graças a rara intuição negocial conseguiu, conquistar posição de controlo na Companhia União Fabril , fundada em 1865 pelo visconde da junqueira,José Dias Leite de Sampaio,renovou e refundou a empresa que seria nome emblemático de conglomerado empresarial.

Alfredo da Silva adorava Sintra, dizia só ali podia dormir tranquilamente. No ocaso da vida fazia trajecto dos escritórios da Companhia a estação do Rossio, de automóvel, seguia depois de comboio a Sintra. Da estação a casa; Palácio dos Ribafrias,utilizava igualmente o carro.A "tabaqueira" fundada em 1927 ,iria dispor de  novo complexo fabril , em Albarraque Freguesia de Rio de Mouro , termo de Sintra.

A família conhecia a predilecção de Alfredo da Silva pelas paragens sintrenses. A modelar colónia de férias para os filhos dos empregados do grupo CUF , foi construída em Almoçageme , freguesia de Colares.

O funeral realizou-se no Cemitério do Alto de São João em Lisboa. no entanto  cumprindo desejo expresso do industrial ,os restos mortais seriam transladados em 1944, para mausoléu edificado no cemitério do Barreiro.

 Testemunho do apego a Sintra e homenagem a sua capacidade realizadora,estátua de bronze,erigida em sua honra   a 19 de Abril de 1965, da autoria do escultor Leopoldo de Almeida, colocada em Albarraque,na rotunda fronteira a entrada principal da "Tabaqueira" e, arruamento de acesso ao bairro dos funcionários  da empresa.

P2103800.JPG

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D