Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

IGREJA DE NOSSA SENHORA DE BELÉM ;RESISTIU AO TERRAMOTO 1755

Informações dispersas induzem a ideia a igreja paroquial,da freguesia de Rio de Mouro,Município de Sintra, sofreu estragos de monta consequência do sismo século XVIII, devastou grande parte de Portugal e sul de Espanha.As memórias paroquiais de 1758,pouco adiantam relativamente a esta localidade,

Encontrei nos registos  curiosa nota " a margem" do pároco Luís Francisco Simões ,escrita dois meses após o terramoto,  seguinte teor:

 

" Em dia de todos os Santos ao 1 de Novembro  1755 sucedeu grande terramoto, pelas novas horas e três quartos , que arruinou e destruiu a cidade de Lisboa e muitas vilas ficaram arrasadas e igrejas e casas caídas  e logo abrasou e queimou a maior parte  de Lisboa e morreram muitas mil pessoas debaixo das igrejas de Lisboa e das paredes de casas e ruas e ainda vão continuando os tremores de terra há mais de dois meses " .

 

Testemunho elucidativo da dramática situação vivida, não sendo feita alusão a Rio de Mouro , dá impressão, teria havido pânico, mas  perdas de vidas e bens não suscitaram comentários do cura.

.

No dia 9 de Novembro,1755 o Pároco elaborou assento de óbito de paroquiana,residente  "no lugar das Covas, desta freguesia não recebeu o Santíssimo Viático por morrer apressadamente por sair  a fugir de casa com medo e pavor dos terramotos (réplica ) , foi sepultada dentro nesta igreja.".(sic).

 

O temor das pessoas durou tempo, as réplicas do grande sismo prolongaram-se durante meses.Não restam dúvidas, a igreja resistiu bem ao abalo telúrico; oito dias após o terramoto, ocorreu  enterramento no  templo, tivesse ficado danificado não teria sido possível utilizar o interior como cemitério.

 

O aspecto actual do edifício deve ser próximo do que seria na época da fundação .Mais um enigma resolvido. 

A foto mostra  inscrição na frontaria da igreja a data 1563

P9055816.JPG

 

Terra das oliveiras doentes

 No munícipio de Sintra distrito de Lisboa Portugal,ao qual pertence o agrupamento de freguesias de Almargem do Bispo-Montelavar-Pero Pinheiro,circunscrição administrativa onde está implantada em terrenos outrora pertença da Casa Pombal,a denominada "granja do marquês"a base aérea nº1 da Força Aérea Portuguesa. Nas imediações encontramos o sítio da Cortegaça,localidade onde subsistem rústicas construcções testemunhos da sua ancestral fundação.

A origem do topónimo Cortegaça,deve ser estudada de acordo com a situação geográfica das povoações designadas por esta palavra, os "localismos " influenciam o significado.Corte tem inumeros significados ,para a nossa pesquisa escolhemos,"casal campo",evitamos aldeia porque estaremos perante povoado anterior ao domínio arabe.

Em redor de Cortegaça algumas  oliveiras velhas porventura denunciam restos de robustos olivais, e também zambujos ou oliveiras bravas certificando abundância de azeitona . Uma doença que atacava as oliveiras era conhecida por "gafa", tal moléstia provocava  queda do fruto antes da maturação,e consequente quebra na producção de azeite.
A povoação seria conhecida por Corte Gafa; casal,campo ou terra das oliveiras doentes (portadoras de gafa).Por corruptela,tão vulgar na topononímia,Cortegafa passou a Cortegaça.

A oliveira é associda á luz, da azeitona se diz "para dar a luz ao mundo mil tormentos padeci".O azeite alimentava as lampadas,fontes de claridade,triunfo sobre a escuridão, igualmente permitia melhorar a dieta alimentar das populações em tempos de penúria.

Talvez para evocarem a protecção divina para as suas oliveiras,os moradores da Cortegaça tenham desejado como padroeira do "burgo"Nossa Senhora da Luz,em honra da qual erigiram uma capela singela e humilde,construída na entrada da povoação ladeando a antiga estrada vinda de Sintra.A escolha de alguém ou algo associados a luz ,baseava-se na antiga crença.de na luz existir um Deus misericordioso e bom;de acordo com o pensamento de J.Boehme.

A capela actual do século XVIII,substituiu a anterior destruída pelo terramoto de 1755;provavelmente,situada perto do cruzeiro,hoje no meio da estrada,antes quem sabe, adorno do adro da ermida. 

 

TERRAMOTO DE 1755 - UM TESTEMUNHO SINTRENSE

O terramoto de 1755, foi uma calamidade que se abateu sobre o País todo. provocando centenas de milhares de mortos e prejuízos incalculáveis. Na vlla de Sintra, o acontecimento foi descrito pelo pároco da freguesia da Vila,nos termos seguintes:

"Neste calamitoso tempo no primeiro dia do mês de Novembro de 1755 anos em que a Igreja Nossa Mâe manda celebrar a solenidade de todos os santos, visitou Deus os pecadores no rigor da sua justíssima ira; tremeu a terra pelas nove horas e três quartos do dia com tal violência que pareceu queria sacudir de si todos os mortais. Destruiram-se todos os ediícios desta antiquissima vila, e de quasi todo o Reino de Portugal. Cairam os sagrados templos, e com tão geral confusão e agonia acharam muitos miseraveis, primeiro o horror da sepultura, que o último estrago da morte. O terror a consternação e desalento deixaram de pouco melhor condição os que sobreviveram, a quem os campos serviram de asilo, e humildes choupanas de habitação, e a infinita misiricórdia de Deus de verdadeira e única consolação."

Quando passamos por um periodo de grandes dificuldades, convém recordar aqueles que com afirmações de  boçal incúria, denigrem Portugual e os Portugueses, que 50 anos depois do terrível terramoto, tivemos as invasões francesas e o abandono da classe dirigente que fugiu para o Brasil. Em 1822 a independência daquela colónia. Depois a guerra civil (1828-1834), que provocou feridas que duraram anos a cicatrizar: a bancarrota no final do século XIX, a mudança de Regime em 1910, a participação a 1ª guerra mundial, a ditadura do 28 de Maio de 1926, o Estado Novo, a guerra colonial (1961 -1974). Superaramos tudo, sem ajuda de ninguém, e ainda ouvimos dizer que temos tido uma "rica vida".

É bom lembrar isto, e a memória dos nossos antepassados, porque nos mostraram que Portugal abana e cai, mas acaba sempre por se REERGUER, por maior que seja o abalo.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D