Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo de novo a Ocidente

ALMORQUIM A TERRA DO " HOMEM SANTO "

Aldeia do concelho de Sintra, freguesia de Terrugem, edificada perto da antiga estrada carreteira de Sintra para Mafra, ostenta topónimo único. O significado deveras interessante consumiu algum do tempo que dedico ao estudo da toponímia na região arrabalde da cidade de Lisboa.

Antigamente o sitio densamente arborizado, com floresta de carvalhos e faias. Local propicio a meditação e busca dos sinais espirituais da mãe natureza.

Aqui residiu alguém "ALMO" vocábulo quer dizer: que alenta que alimenta, benigno, vivificante, puro, santo, ilustre, respeitado, venerável.

Confirmando que escrevi acerca de Alfaquiques, Almorquim seria morada de um clérigo moçarabe, clérigo na nomenclatura arábica há séculos, também se designava ALFAQUIM, deste modo surgiu ALMOFAQUIM, pela "fala" quotidiana originou ALMORQUIM ou seja onde habitava um "homem santo" no tempo que os muçulmanos dominaram a região, e depois no período da consolidação do poder dos cristãos vencedores.

P7285654.JPG

 

 

 

 

Um eucalipto monumental .

A exemplo do eucalipto que servia de tema a um texto inserido no livro de leituras, obrigatório para uso no ultimo ano do ensino primário ou elementar, no tempo da ditadura Salazarista, também conhecida por estado novo, poderíamos iniciar este apontamento. "Um velho eucalipto plantado à beira de uma estrada foi desassossegado", não por qualquer camponês que pretendesse abatê-lo, mas pelo nosso olhar, um dia reparámos nesta gigantesca árvore cresce na berma da estrada nacional nº 9, junto a ponte da ribeira da Cabrela sítio da Fervença no Município Português de Sintra, Área Metropolitana de Lisboa. Na circunscrição da união de freguesias de S. João das Lampas e Terrugem.

Quem circula na estrada por se tratar de troço rectilíneo, passa em velocidade, maioria nem dá pelo eucalipto. Terá cerca de sessenta anos, plantado na margem dum curso de água em terra fértil, cresceu até atingir o imponente fuste que podemos constatar na imagem.Tem cerca de quinze metros de altura, diâmetro do tronco superior a cinco metros.

Sentinela impávida do ruidoso tráfego que diariamente passa, talvez com esta "nota" mais pessoas olhem a árvore e quem sabe o vetusto eucalipto "sinta" que a sua presença é estimada.

PB073671.JPG

PB073676.JPG

PB073672.JPG

 

A Propósito do dia de São Sebastião

 Vinte de janeiro é o dia consagrado no calendário litúrgico ao mártir S.Sebastião,ao qual povo recorria pedindo protecção para fomes pestes e guerras.Em algumas terras de Portugal,ainda hoje se realizam cerimónias,onde em complemento das actividades relacionadas com a devoção  ,se distribuem "bodos" de pão ,ou fogaças,reminiscências do culto para afugentar a penúria alimentar.Neste dia nasceu D.Sebastião Rei de Portugal, por essa razão foi baptizado com o nome do mártir.

D.Sebastião cognominado o "Desejado", veio ao mundo já depois da morte de seu pai o príncipe D.João,o nascimento era ansiosamente aguardado para se garantir a sucessão dinástica.Foi grande devoto do Santo, mandou que na maioria das povoações do Reino se edificassem á saída daquelas ,ermidas em honra do seu patrono.

No concelho de Sintra existiam diversas,uma das quais na Terrugem junto á antiga estrada de Sintra para Mafra.Uma bela "orada" de estilo quinhentista,referência apropriada,para assinalarmos este dia.

 

A RIBEIRA DA CABRELA UM TESOURO DESCONHECIDO

A Cidade de Sintra alberga no seu território diversos motivos de interesse para além dos conhecidos monumentos e outras particularidades que são do senso comum. Mas aquilo efectivamente distingue o Município Sintrense: O seu potencial humano e as singularidades ainda pouco conhecidas, disseminadas pela geografia concelhia.

 

Uma delas é o vale da Ribeira da Cabrela. Quem desça das alturas do planalto do Casal Sequeiro vindo de Montelavar ou da Cabrela se vier da Terrugem avista um profundo e encaixado vale no centro do qual corre a Ribeira da Cabrela. Este curso de água nasce do manancial do Algueirão junto à Granja do Marquês e vai desaguar na Ribeira de Cheleiros.

 

Parece impossível existir no coração duma Grande Área Metropolitana um recanto tão bucólico e aprazível como este.

As margens da Ribeira estão cobertas com choupos carvalhos e outras arvores que dão um enquadramento magnifico, como o terreno é plano permite passear tranquilamente escutando o murmúrio das águas. No Inverno e Primavera a Ribeira leva um caudal significativo o que dá ao quadro ainda mais grandeza.

Em tempos chegou a falar-se na possibilidade de construir uma barragem com fins de recreio e abastecimento de águas. O dique serviria para ligar a Terrugem a Montelavar .

Infelizmente o projecto não se concretizou.

 

Hoje em dia é possível encontrar peixes nas cristalinas águas deste tesouro que dá pelo nome de Ribeira da Cabrela, mais um dos encantos da NOSSA SINTRA.

O CARVALHO DA MINA

O Concelho de Sintra contém no seu dilatado território inúmeros "tesouros" quase desconhecidos quer por ignorância quer por falta de informação. Iremos  descrever neste trabalho, um deles. Trata-se dum carvalho cujo tronco tem um perímetro de 2,80 metros e como cresce em plena natureza, deve ter mais de 200 anos.

É uma árvore frondosa cuja copa como foi deixada crescer livremente ocupa uma área de cerca de 20 metros em redor do tronco. Junto a este monumento vivo corre um pequeno regato de água  alimentado por uma nascente vinda duma mina daí as pessoas da zona apelidarem de CARVALHO DA MINA.

 

Juntamente com esta crescem na proximidade outras árvores cujo conjunto forma um pequeno bosque dando ao local um aspecto bucólico encantador.

Tudo isto resistiu ao passar do tempos apesar de estar no meio de terras de cultivo. Talvez a necessidade de aproveitamento da água da mina tenha "salvo" esta maravilha . 

 O Carvalho da Mina situa-se na freguesia de Almargem do Bispo 200 metros após a passagem de nível da Pedra Furada na direcção de Negrais, há uma casa esquerda de onde sai o caminho agricola que termina, junto ao carvalho.

O local tem todas as condições para ser uma agradável área de lazer  mas infelizmente é só erva  o acesso pedonal é fácil e permite uma visita. Por mim cumpri o dever de partilhar algo que deve ser apreciado por todos quantos amam a natureza.

Devo referir que tomei conhecimento da existência do Carvalho da Mina por informação do antigo Presidente da Junta de Freguesia da Terrugem Sr. Pechilga que me levou ao sitio na década de 1980. Desde essa data sou visitante assíduo e por isso tenho notado o cada vez mais visível estado de abandono desta árvore notável. Oxalá finalmente as coisas mudem...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Curiosidades sobre o autor

Comentários - Alvor de Sintra

Quadros para crianças

Sites e Blogs de Interesse

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D